Arquivo da tag: Maxi Rodríguez

No caminho certo

caminhoEnquanto só as saídas do time vão se confirmando, a ansiedade por reforços aumenta entre a torcida. Não que a equipe não precise de um verdadeiro expurgo, mas ver Maxi Rodriguez, um dos poucos desse grupo que ainda poderia ficar, voltar ao Grêmio e não chegar ninguém é obviamente preocupante.

Mas diante da situação do clube, é natural a cautela ao se contratar. E José Luiz Moreira está corretíssimo ao afirmar que não adianta trazer jogadores se os salários não puderem ser pagos. Infelizmente, nossa realidade é essa: Paulo Angioni terá que se desdobrar para reforçar o elenco sem cometer loucuras financeiras e com qualidade para montar um time digno do clube.

E se a notícia de que o Vasco sondou o treinador Gustavo Matosas é verdadeira, a direção do clube pelo menos mostra estar no caminho certo. O mercado de treinadores no Brasil está dividido entre ex-técnicos em atividade (como o que temos hoje), muitas promessas ainda não realizadas e os supervalorizados que, nem sempre, justificam seus salários astronômicos. Buscar um nome no exterior que tenha feito grandes trabalhos – Matosas em três anos no Leon do México tirou o time da segundona e conquistou o bicampeonato nacional – seria uma ótima opção.

Mesmo que seja difícil a contratação, o interesse por Matosas mostra uma criatividade inesperada  dos dirigentes vascaínos. Tornando isso uma tendência na busca por reforços para renovar o time, podemos ter boas surpresas daqui pra frente.

***

O problema é que o Dorival Jr. agora se encontra desempregado. Espero – e acredito que maioria absoluta da torcida também – que essa condição não o torne uma opção para o Vasco. Seria um tremendo tiro no pé.

***

E por falar em técnico, o Natalino mandou muito mal ao tirar uma foto segurando uma camiseta alusiva à mulambada (não vou reproduzir a foto aqui pra não dar moral a quem não merece). Para quem estava cavando a permanência na Colina, a atitude é, para dizer o mínimo, um vacilo imperdoável.

Por muito menos que isso, Joel, você ganhou o cargo do Oswaldo de Oliveira no próprio Vasco. E você deve se lembrar quem foi o responsável pela troca.

***

Não sei o que dá mais medo: o Vasco ainda pensar em contar com o Kleber ou imaginar a qualidade do tal Julio dos Santos. Porque, pra ser o plano B do Gladiador depois do que ele apresentou na Série B, convenhamos…

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

37 Comentários

Arquivado em Notícias, Reforços, Transferências

Um resumo do campeonato

Parafraseando Euclides da Cunha em seu clássico “Os Sertões”, podemos dizer que o vascaíno, é antes de tudo, um forte. Forte na crença de que seu time poderia corresponder em campo o apoio de mais de 50 mil torcedores. Infelizmente, diferente do que todos esperavam, o Vasco apenas condensou o que fez nas 37 rodadas da Série B em 90 minutos e não passou de um empate com o Icasa.

E o que fizemos em nossa errática trajetória de volta à elite do futebol brasileiro? Apresentamos um futebol abaixo da crítica, passamos sufoco contra times fraquíssimos, perdemos gols em profusão, fizemos de tudo para os adversários gostassem dos jogos e nos pressionassem e terminamos em igualdade contra equipes que, tendo seus salários somados, muitas vezes investiram menos do que o Vasco investiu em alguns dos seus reservas.

E foi exatamente isso que vimos na Arena Maracanã ontem. Podemos reclamar de tudo sobre esse time, mas nunca de falta de coerência.

Tanto faz agora o resultado da última rodada e só sendo uma pessoa com uma fé maior que a do Papa Francisco para crer que o Vasco devolverá a goleada sofrida pelo Avaí no primeiro turno, ou mesmo que se esforçará por uma vitória. Se o time volta e meia mostrava uma falta de vontade tremenda quando ainda precisava garantir sua volta à Série A, imaginem a motivação na semana que vem, com a classificação já assegurada e sendo a última partida pelo Vasco de uma penca de jogadores desse grupo. E isso contra um time que precisará vencer para manter o sonho do acesso.

Motivos para nos alegrar, nós temos. Afinal de contas, ainda que tenha sido nas coxas, o objetivo principal foi alcançado. E, apesar de tudo, nos resta a esperança de um futuro melhor, se não pelo retorno da gestão Eurico, ao menos pelo final da Era Dinamite, definitivamente a pior da nossa história. Depois desse ano terrível que passamos, esperança já é algo que nos serve de algum conforto.

As atuações…

Martin Silva – um milagre no primeiro tempo e boas saídas do gol. No lance do gol, estava um pouco adiantado, mas quem esperaria um chute daqueles da intermediária?

Carlos César – vinha fazendo uma partida apenas razoável até se machucar e não voltar após o intervalo do primeiro tempo. Lorran entrou em seu lugar e foi mais presente no apoio, mas ainda erra passes demais.

Rodrigo – a experiência falou mais alto, ganhando vários lances na malandragem: cavou várias faltas providenciais quando o Icasa estava no ataque.

Luan – teve uma boa chance no primeiro tempo e jogou com segurança. No segundo, se posicionou mal em alguns lances.

Diego Renan – errou tudo o que podia no apoio e miguelou na marcação durante todo o jogo. Cortou uma bola que tinha endereço certo, sua única contribuição ao time.

Guiñazu – a disposição de sempre, talvez exagerando um pouco na distribuição de carrinhos. Deu azar no lance do gol, quando a bola que cortou acabou sobrando para o atacante do Icasa.

Fabrício – tentou ajudar na criação e foi visto frequentemente no ataque. Mas na única boa chance que teve, isolou a bola.

Douglas – um pouco mais de disposição que nas últimas partidas, fez o cruzamento para o gol de Kleber e perdeu um gol feito, ambos os lances na primeira etapa. No segundo tempo não conseguiu organizar o meio de campo com a eficiência necessária.

Maxi Rodríguez – é a comprovação de que os gringos do time podem ser acusados de tudo, menos de fazer corpo mole. Entre um ou outro exagero nas jogadas individuais, é quem mais corre e tenta criar jogadas no time. Quase marcou em chute cruzado no primeiro tempo. Deu lugar ao Lucas Crispim na etapa final, e o garoto trouxe um novo gás para o time. Mas não fez muito mais que isso, raramente conseguindo terminar as jogadas que iniciou.

Thalles – incomodou muito a defesa do Icasa enquanto esteve em campo, mas na única chance clara que teve para marcar, chutou mal. Edmilson entrou em seu lugar e não conseguiu fazer muita coisa.

Kleber – de certa maneira, pode ser considerado o jogador símbolo da equipe: tem mais nome que feitos na carreira, veio como grande reforço mas raramente correspondeu a essa responsabilidade e viveu de lampejos ao longo do campeonato. Exatamente como ontem, quando mesmo jogando bem apenas durante o primeiro tempo, decidiu a partida marcando o gol vascaíno.

***

O presente de despedida da torcida carioca para o time, depois de um ano sem títulos, sem boas apresentações e como único consolo uma obrigatória passagem para a Série A depois de uma turbulenta disputa da segundona, foi a vaia de 50 mil pessoas.

E a torcida – diferente da diretoria, comissão técnica e jogadores – fez o certo pelo clube. Não há mesmo qualquer motivo para festejarmos esse 2014. Compareceu ao estádio, apoiou durante a partida e mostrou seu descontentamento no momento exato.

Mas não podemos pensar que nosso trabalho está feito. Grandes mudanças vem aí e a participação de todos os vascaínos é mais importante que nunca. Apoiar quando preciso e cobrar sempre que necessário é o nosso papel. Fizemos isso ontem e devemos fazer sempre.

***

banner

Voltamos do lugar de onde nunca deveríamos ter saído. Para comemorar o feito, o ideal é conferir as ofertas do Mês dos Fanáticos da loja Gigante da Colina! Clica aí e confira as promoções.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

48 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Torcida, Vídeos

Tranquilidade após a raiva

O expediente de deixar para o dia seguinte a escrita da resenha das partidas do Vasco, com o claro objetivo de tentar fazer uma análise mais racional e menos emotiva, não vai dar certo para a vitória do Vasco sobre o Vila Nova. Mesmo que o resultado tenha praticamente garantido nossa volta à elite, é impossível lembrar do jogo e não sentir uma raiva profunda do triste espetáculo.

Porque foi exatamente isso que Joel e seus comandados conseguiram ontem: irritar profunda e completamente os vascaínos (ou pelo menos esse que vos escreve). A inexistência de um padrão de jogo, os erros individuais e até um aparente descaso dos envolvidos com a necessidade da vitória foram o bastante para nos tirar da simples apatia de quem assiste uma partida de futebol ruim para a ânsia de espancar cada um dos presentes por ousarem se achar no direito de poderem usar a armadura cruzmaltina.

Esse sentimento foi mais forte ao longo do primeiro tempo. A bagunça do time e a profusão de pixotadas foi tamanha que conseguimos sofrer um gol – em um lance dantesco da zaga – de um time já rebaixado para a Série C antes de criar qualquer boa chance de ataque.

(Aqui vale uma parêntese sobre o Vila Nova: nosso adversário teve o pior ano de sua história, sendo rebaixado não apenas no Brasileiro, mas também no Campeonato Goiano. Em 49 partidas oficiais, o Vila perdeu 31 e venceu apenas 12. Uma delas, para evidenciar nossa terrível fase, sobre o Vasco. Fecha parêntese).

Mesmo com o Vila Nova mostrando uma disposição malabranqueana para uma equipe que não tem mais objetivos na competição, era totalmente inaceitável estar atrás no placar para um oponente com aquele nível. Ainda assim, nosso empate só surgiu como uma retribuição ao gol que demos: o zagueirão do Vila se empolgou e entrou numa de sair driblando na frente da área justo na frente de Guiñazu. O gringo roubou-lhe a bola e passou para Carlos Cesar, que fez questão de manter o nível da partida, marcando com um chute muito do mequetrefe.

Indo para intervalo em igualdade, Joel, que passou o primeiro tempo inteiro berrando e xingando seus comandados, deve ter reservado alguns impropérios para o vestiário. Isso porque, se o time voltou com a mesma desorganização da etapa inicial, pelo menos resolveu correr um pouco. Dada a fragilidade do Vila Nova, isso bastou para que o Vasco não apenas dominasse a partida, como também virasse o placar, com Douglas marcando seu 10o gol no campeonato, depois de cobrança de falta de Maxi Rodriguez.

O Vasco manteve o Vila Nova no seu campo, mas ou o último passe não saía, ou as finalizações eram canhestras, impedindo que ampliássemos a vantagem. A tensão – vejam vocês, jogando contra quem jogávamos! – com a possibilidade do empate nos apavorou até os minutos finais, quando o inesperado aconteceu. Jhon Clay acerta uma improvável bomba em curva, colocando um definitivo 3 a 1 no placar e fazendo a torcida respirar aliviada já quase nos acréscimos.

Apesar da atuação terrível e da raiva durante a partida, a vitória nos deixa com a tranquilidade de precisar de apenas um ponto para, finalmente, sair de campeonato desgracento com a missão cumprida (em parte, claro, já que o título era uma obrigação). Agora é lotar a Arena Maracanã para o decisivo confronto contra o Icasa, que promete ser um adversário ainda mais complicado que o Vila Nova, já que eles ainda lutam contra o rebaixamento (só de ter que me preocupar com as possíveis dificuldades que o 18º colocado da Série B pode nos trazer já faz a raiva voltar feroz). Mas não é possível que não consigamos ao menos um empate com a equipe cearense. Afinal de contas, empatar foi o que mais fizemos esse ano.

***

Vale um comentário sobre o nosso “comandante” Natalino.

O descontrole dele ficou visível (ou melhor, audível) desde o começo da partida. Berrando, xingando e esbravejando o tempo todo, Joel deixou clara sua falta de controle do grupo. Nem falo do verdadeiro bando que foi o Vasco ontem, quando não mostrou um mínimo de organização ao longo dos 90 minutos. O pior é a impressão de que, se suas instruções tivessem sido minimamente claras, ele não precisaria gastar tanto a garganta.

Um monte de gente vai falar que a culpa é da ruindade dos jogadores e que não existe treinador que dê jeito nesse elenco. Mas reflitam: o principal problema do time ontem foi de ordem técnica ou tática? Se foi tático, e efetivamente foi, então a culpa é do Joel sim.

***
As atuações…

Martín Silva – sem culpa no gol. Passou a segurança necessária no primeiro tempo e pouco teve que fazer no segundo.

Carlos César – apoia bastante, mas é difícil concluir uma jogada. Acabou sendo útil, como no jogo contra o ABC, aparecendo de surpresa na área, dessa vez empatando o placar ainda no primeiro tempo e tranquilizando o time para o segundo.

Luan – errou tudo o que tinha que errar e foi uma dos alvos preferidos dos xingamentos do Joel.

Rodrigo – tirando a espanada desastrada que acabou dando o gol para o Vila Nova, fez uma partida segura, muitas vezes livrando a cara do seu companheiro de zaga. Mas nas cobranças de falta foi uma negação.

Lorran – outro que errou muito mais que acertou. Parecia nervoso, mas me pergunto por quanto tempo a sua juventude servirá como desculpa para atuações ruins.

Guiñazu – é uma espécie de Chuck Norris do futebol: ele não precisa de instruções de treinadores, já que sabe o que precisa fazer. Marcou com a disposição de sempre, deu o combate mais que todos seus companheiros de defesa juntos e ainda tentou ajudar na criação. No segundo tempo errou um passe que originou um contra-ataque, mas nada que comprometesse sua atuação.

Fabrício – tenta fechar os espaços no meio, mas vive deixando buracos na meiúca; quando sobe ao ataque, ou erra o passe decisivo ou tenta uns arremates constrangedoramente ruins. Pelo menos correu no segundo tempo.

Douglas – para um camisa 10, com a responsa de organizar as jogadas do time, a preguiça com que jogou o primeiro tempo era passível de justa causa. Compensou na etapa final, suando um pouco a camisa e marcando o gol da virada. Jhon Clay entrou em seu lugar e não seria percebido se não tivesse fechado o caixão do adversário, definindo o placar com um belo chute de fora da área.

Maxi Rodríguez – é daqueles que precisaria de uma bola exclusiva ao longo da partida. Como tenta muitas jogadas individuais, acaba igualmente errando muito. Tem a desculpa de jogar fora da posição: seu estilo não é o ideal para jogar mais próximo à área, onde a marcação aperta, e sim vindo de trás, criando os espaços para seus companheiros. Pelo menos é um dos poucos que correm o jogo todo, e ontem teve participação no resultado, saindo dos seus pés o cruzamento para Douglas marcar.

Rafael Silva – foi citado duas vezes enquanto esteve em campo: quando não alcançou uma bola que tocaram para ele e quase marcando de cabeça (o que até é bom para alguém que podemos chamar de quase jogador). Thalles entrou em seu lugar e deu muito mais trabalho para a zaga adversária e ainda ajudou na defesa. Precisa urgentemente acertar a hora de chutar, dar um passe ou driblar: invariavelmente toma a decisão errada e desperdiça bons lances.

Kleber – só não é mais irritante que o Douglas por correr o tempo todo. Por outro lado, não faz gols como o camisa 10 e com isso acaba sendo pior. Edmílson entrou em seu lugar e pouco foi notado.

***

banner

Sabadão tem jogo decisivo do Vascão. Então a boa é comprar uma camisa nova pra comemorar a volta à elite com estilo! Aproveite as ofertas do Mês dos Fanáticos na loja Gigante da Colina e faça a festa! Clica aí e confira as promoções.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

73 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos

Mais que merecido

Joinville, Icasa, Santa Cruz, Boa Esporte e Atlético-GO. Nenhum desses times conseguiu perder para o Ceará, na sua sequência de cinco jogos sem vitórias. De todos esses, apenas o Joinville está acima do Vasco na tabela. Um deles, o Icasa, inclusive está no Z4. Mas já faz algum tempo que uma das nossas manias é ressuscitar defuntos e ontem não poderia ser diferente: Ceará 2 x 0, com o Vasco reacendendo as chances do Vozão subir para a elite ano que vem.

Mas dessa vez nós ajudamos muito o adversário. Da armação do time ao aparente descompromisso dos jogadores, o resultado não poderia ser outro. A derrota acabou sendo mais que merecida, mas justa, já que nosso anfitrião acabou marcado seus gols meio que por acaso (o primeiro em lance irregular e o segundo numa cobrança de falta com um desvio providencial).

Joel Santana, que não tem conseguido fazer o time render nem com os esquemas manjados que usa desde que conseguia ter algum resultado como treinador, resolveu inventar um esquema com três zagueiros que não tinha como dar certo. Isso porque, além de Anderson Salles – o zagueiro que ele tinha à disposição para completar o esquema – ainda estar completamente sem ritmo de jogo depois de meses inativo, o 3-5-2 – ou ainda, o 3-6-1, já que Kléber era o único atacante no time titular – de ontem é uma formação que depende de muito treinamento para funcionar. E, como era de se esperar, não funcionou.

O Vasco ainda manteve mais posse de bola e perdeu alguns gols feitos, como sempre, até sofrer os dois gols. Mas depois disso e principalmente na volta do intervalo, a apatia e falta de disposição para buscar o resultado eram evidentes. E como as substituições do Natalino foram tão efetivas quanto seu esquema inicial de jogo, não chegamos a criar qualquer chance de mudar o cenário da partida. No final das contas, mesmo que o Ceará tenha contado com a incompetência de um bandeirinha e com a sorte para marcar seus gols, o mérito pelo resultado acabou sendo confirmado pela quantidade de oportunidades que criaram na etapa final. Se algumas delas entrassem, poderíamos ter passado mais um vexame de proporções avaianas nesse campeonato.

Nossa sorte é que a tabela acabou nos favorecendo e poderemos garantir a vaga em casa, em duas partidas contra equipes da parte debaixo da tabela, uma delas inclusive já rebaixada. Com o futebol apresentado pela equipe comandado por Joel, é bom saber que contaremos com a força da torcida e com a fragilidade dos adversários.

As atuações…

Martín Silva – nada podia fazer no lance do primeiro gol. No segundo, a cobrança de falta teve um desvio, mas há quem ache que, ainda assim, era uma bola defensável. Tenho minhas dúvidas.

Luan – dos três zagueiros, foi o que mais vacilou: no primeiro gol, deveria estar marcando o jogador que finalizou. No segundo tempo, quase permitiu que o Ceará ampliasse.

Rodrigo – ficou na sobra e não deu mole para o ataque alvinegro, travando um duelo em especial com o atacante Bill, contra quem se saiu melhor na maioria dos lances. Quase marcou um gol de cabeça no segundo tempo.

Anderson Salles – fora de ritmo, acabou cedendo alguns espaços na parte do campo que deveria cobrir. Ainda assim se saiu melhor que o Luan, principalmente no combate direto. Acabou sendo sacado no intervalo, dando lugar ao Rafael Silva, que puxando pela memória, só foi citado uma vez pelo narrador da partida após sua entrada em campo. E foi porque não alcançou uma bola tocada para ele.

Carlos Cesar – ontem, quando em teoria teria mais liberdade para apoiar, foi mais tímido que no jogo contra o ABC. De efetivo, apenas um bom cruzamento na etapa final.

Aranda – foi tão mal que os únicos feitos dignos de nota na sua atuação foram o desvio da bola no segundo gol (que bateu na cabeça do volante) e o amarelo que levou e o deixará fora da próxima partida.

Guiñazu – imagino o desespero do gringo, que sempre se doa ao máximo em todo jogo, ao ver a moleza dos seus companheiros. Ontem, além de se desdobrar na marcação, foi visto até no ataque, as vezes tabelando e até finalizando.

Douglas – seu “estilo cadenciado” já não engana: Douglas, com aquela pança que parece não parar de crescer, não corre em campo, apenas trota. De útil na partida de ontem, apenas um belo passe que deixou Kleber na cara do gol. É muito pouco para quem é titular absoluto e pretenso “maestro” da equipe. Saiu, não muito satisfeito, no segundo tempo para a entrada do Edmílson, que não podia fazer nada sem receber uma única bola sequer em condição de finalizar.

Maxí Rodriguez – o uruguaio já sofre tendo que jogar mais a frente do que deveria. Fazer isso em um esquema diferente e sem o tempo de treino necessário o prejudicou ainda mais. Volta e meia se embolava com Diego Renan e pouco conseguiu fazer. Acabou sendo substituído pelo colombiano Montoya, que trouxe outra nacionalidade para o time, mas nada de diferente na armação de jogadas.

Diego Renan – um pouco mais de consistência no apoio que nas últimas partidas, o que foi desperdiçado pela bagunça que o novo esquema provocou no time. Ele e Maxi (e depois Montoya) estavam disputando um espaço na mesma faixa do campo.

Kléber – não adianta nada correr muito, dar combate na frente e fazer declarações contundentes após resultados ruins se sempre peca na hora de fazer o trabalho pelo qual é pago. Depois de receber uma bola açucarada do Douglas, Kleber perdeu uma chance claríssima quando o placar ainda estava 1 a 0.

***

banner

A loja oficial do Vasco, a Gigante da Colina, está promovendo o Mês dos Fanáticos, que traz sempre produtos licenciados em oferta. Clica aí e confira as promoções.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

42 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos

Futebol pragmático

A Arena Maracanã com um ótimo público, 50 mil vascaínos fazendo uma festa linda, o fim da ridícula sequência de quatro jogos sem vitórias na Série B e a volta para a elite mais perto não foram o bastante para ignorarmos o fato de que o Vasco não fez nada de muito diferente do que vimos nos fracassos contra Paraná, Ponte, América-RN e Santa Cruz.

Não que tivéssemos algum motivo para acreditar numa mudança da água pro vinho só porque estaríamos em grande número no estádio. Aliás, o Joel já tratou de nos tirar essa esperança de véspera, já indicando que escalaria três volantes contra o 13º colocado da tabela. O resultado não poderia ser outro: mais uma vez tivemos muita posse de bola e pouca criatividade no meio. Foi o mesmo rame-rame de sempre, de toques para o lado e para traz e objetividade zero. E isso sem trazer a maldita segurança adorada ao nível da obsessão pelo Joel, já que o ABC ainda teve as melhores chances no primeiro tempo.

A torcida foi quem fez mais bonito na Arena Maracanã (foto: www.vasco.com.br)

A torcida foi quem fez mais bonito na Arena Maracanã (foto: http://www.vasco.com.br)

O que impediu que o time fosse para o vestiário no intervalo sob as vaias de todo o estádio foi o gol já nos acréscimos do primeiro tempo. Mas vale lembrar que o pênalti convertido por Douglas só aconteceu por conta de uma pixotada dupla da defesa do ABC até Carlos César se derrubado na área.

Começamos o segundo tempo com vantagem no placar e um jogador a mais em campo (o goleiro Gilvan foi expulso ao cometer a penalidade no primeiro tempo). Ainda assim isso não foi o bastante para que nosso treinador resolvesse dar um jeito na falta de criatividade do time. Foi preciso que Pedro Ken se machucasse no primeiro minuto da etapa final para que o Natalino decidisse jogar o time para frente, substituindo o volante pelo Thalles. Se por um lado a alteração fez com que o domínio da partida aumentasse, por outro serviu para que mostrássemos outro defeito mais que batido do time: a falta de qualidade nas finalizações. Perdemos uns três ou quatro gols por conta dos chutes fracos e/ou sem direção ou por nossos atacantes não chegarem a tempo de dar o toque para as redes.

Valeu pela vitória, por aumentarmos a diferença para o quinto colocado e por estarmos mais próximos da vaga para a série A. Mas não adianta esperarmos nas partidas que restam algo além da preocupação em garantir três pontos. Aparentemente, comissão técnica e jogadores ficaram satisfeitos com o resultado, independente do nível do futebol apresentado (tanto que já falam em “conforto” no caso de um empate contra o Ceará na próxima rodada). O vascaíno já pode conformar em guardar suas esperanças de ver o Vasco jogando como Vasco apenas ano que vem. Até o fim desse Brasileiro, nos restará aturar o futebol pragmático e de resultados que Joel tanto aprecia.

As atuações….

Martín Silva – no primeiro tempo evitou que o ABC abrisse o placar com pelo menos duas grandes defesas. No segundo tempo praticamente não trabalhou.

Carlos César – aparentemente quer conquistar a vaga na lateral direita em definitivo, mostrando muita disposição e velocidade no apoio. No primeiro tempo, o Vasco atacou praticamente o tempo todo pelo seu lado do campo, contanto várias vezes com sua ajuda, iniciando jogadas com algumas arrancadas. Foi decisivo para o resultado ao sofrer o pênalti convertido por Douglas.

Luan – praticamente não teve problemas com o adversário, fazendo uma partida tranquila.

Anderson Salles – parece ter sentido a falta de ritmo em alguns momentos, principalmente quando errou o tempo de bola em botes e divididas pelo alto. Mas também jogou com tranquilidade e mostrou que poderia muito bem ter tido mais chances no time. Quase marcou após cruzamento de Maxi no segundo tempo.

Diego Renan – apagado no primeiro tempo, quando quase não subiu ao ataque, cresceu de produção quando o Vasco passou a ter um jogador a mais e apoiou mais vezes. Foi quando acertou um belo cruzamento que só não terminou em gol porque Thalles furou o chute.

Guiñazu – a disposição de sempre no combate, mas dessa vez sem cometer tantas faltas (tanto que milagrosamente acabou o jogo sem ser advertido).

Aranda – errou alguns passes, principalmente quando esteve mais avançado e acabou cedendo alguns espaços no meio de campo quando passou a atuar mais recuado. Quase marcou em chute na entrada da área no segundo tempo.

Pedro Ken – discreto, participou muito mais da marcação que da criação de jogadas. Saiu no início do segundo tempo com dores. Thalles entrou em seu lugar e começou a partida apanhando da bola, errando passes em profusão e estragando jogadas por falta de domínio. Melhorou com o tempo e levou perigo algumas vezes, inclusive deixando Kleber na cara do gol.

Douglas – começou a partida sem conseguir criar jogadas de perigo e trotando em campo, aparentando estar até acima do peso. Ainda assim acabou resolvendo a partida ao converter a cobrança de pênalti que nos deu a vitória. No segundo tempo quase marcou em chute colocado de fora da área. No fim deu lugar ao Rafael Silva, que mesmo ficando pouco tempo em campo, conseguiu finalizar com perigo uma vez.

Maxi Rodríguez – mais uma vez não justificou a moral que tem com a torcida quando começa como titular. O uruguaio tem visão de jogo, mas na maioria das vezes erra o passe decisivo ou perde a bola quando tenta jogadas individuais. Tem a seu favor o fato de que jogou todo o primeiro tempo mais avançado do que deveria, tanto que melhorou um pouco com a entrada do Thalles e pode jogar mais recuado.

Kleber – luta sempre e com relação à disposição que mostra em campo não há do que reclamar. Mas sendo o único atacante em campo desde o início da partida, deixa muito a desejar, já que não consegue nem finalizar. Sua única boa chance aconteceu com o segundo tempo já bem adiantado, depois de receber bola açucarada de Thalles. Mas aí, o Gladiador chutou como uma mocinha, nas mãos do goleiro. Edmilson entrou em seu lugar e não teve tempo sequer para encostar na bola.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

Update: publiquei uma coluna nova no Vasco Expresso hoje: “Desculpe, Arena…

37 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Update, Vídeos

A luta é pela vaga

Cada vez mais difícil escrever sobre as partidas do Vasco. Esse é o motivo pelo qual os posts têm demorado a sair por aqui. Difícil não protelar uma tarefa repetitiva e irritante como tentar analisar os mesmos erros de sempre. Ou será que a culpa é minha? Será que alguém conseguiu ver algo no empate com a Ponte Preta que seja diferente do que vem acontecendo há séculos com o time?

Talvez a escalação do Joel possa ser considerada uma diferença, já que o notório retranqueiro optou por uma armação mais ofensiva e até moderninha, com dois volantes apenas (e um deles NÃO era o Fabrício) e três meias, com dois jogando mais pelas pontas e apenas um atacante centralizado. Com essa formação, Natalino pode colocar não apenas o Maxi Rodriguez como titular, mas também o Crispim e o Dakson. Dessa vez, gente pra armar jogadas não ia faltar.

Mas faltou. Vale lembrar que dos três meias em campo, apenas Maxi poderia cumprir a função do suspenso Douglas. Tanto Dakson como Crispim são meias-atacantes, sem as características necessárias para armar jogadas ou dar aquele passe que deixa os companheiros na cara do gol. A questão é que Maxi não jogou nada e Dakson errou quase tudo o que tentou. Crispim foi o que se saiu melhor, mas não o bastante para fazer com que o Vasco fizesse diferente do que tem feito por todo o campeonato: ter posse de bola, não saber o que fazer com ela, perder gols feitos quando conseguimos criar alguma coisa e sofrer com contra-ataques.

O começo do segundo tempo nos deu esperança apenas para nos tirar minutos depois. Fizemos um gol logo aos dois minutos, na única cochilada que a defesa da Macaca cometeu. Mas devolvemos o favor quatro minutos depois, vacilando na marcação e permitindo o empate. E o tempo passou, sem que o time mostrasse capacidade criativa para fazer outro gol, não fazendo qualquer diferença as alterações que Joel tivesse tentado. A Ponte, com méritos, foi o único dos líderes a não perder para o Vasco em São Januário. Isso porque sabia exatamente como parar o time: jogou fechadinha, esperando os contragolpes. Bastou não nos deixar jogar, como fez o Ceará e o Joinville.

O fato é que agora, faltando apenas seis jogos e com seis pontos de diferença para o líder, o que deve interessar ao Vasco é conseguir logo sua classificação para a Série A. O título, que deveria ser uma obrigação para o único dos grandes na competição, foi perdido não apenas no sábado, mas ao longo de todo o campeonato, com as apresentações ridículas que tivemos e com os absurdos 13 empates que deixamos acontecer. O que deixa claro algo que muitos já perceberam há tempos: vamos subir sim, mas muito por conta da incapacidade dos nossos concorrentes. Se Avaí e Ceará não estivessem brigando pra ver quem permanece na segundona ano que vem, estaríamos com muito mais problemas do que temos hoje.

As atuações….

Martin Silva – praticamente não trabalhou e não teve responsabilidade no gol sofrido.

Diego Renan – no primeiro tempo não comprometeu defensivamente, mas não foi visto no apoio. No segundo, a jogada do gol de empate da Ponte saiu pelo seu lado. Depois disso, até foi visto mais vezes no ataque, mas não conseguiu acertar um cruzamento sequer.

Rodrigo – não teve muito trabalho com o ataque da Ponte, mas teve sua atuação comprometida por dar um carrinho precipitado no lance do gol deles.

Douglas Silva – vinha jogado com seriedade e ganhando a maioria dos lances contra os atacantes adversários. Quando poderia ter marcado o segundo gol, numa bola alçada à área da Ponte, acabou se machucando e cedeu lugar ao Luan, que manteve o nível da atuação da zaga.

Lorran – Joel apostou no momento errado: depois de duas derrotas e precisando vencer o líder diante da torcida, estava claro que a partida teria pressão demais para alguém tão novo. O resultado? Procurando mostrar serviço, acabou cometendo muitas faltas e só não foi expulso por conta da quebrada de galho do juiz. Com isso, Natalino se viu obrigado a queimar uma substituição ainda no primeiro tempo, colocando Marlon no lugar do garoto. Esse, fez o que faz quase sempre: tenta apoiar, mas não consegue dar prosseguimento às jogadas.

Guiñazu – não dá pra falar mal do único jogador que parece estar atento e que mostra disposição para cumprir sua função por todos os 90 minutos. Mesmo que para isso tenha que fazer uma penca de faltas e passar boa parte do jogo dando carrinhos.

Aranda – uma daquelas atuações que não enchem os olhos da torcida, mas foi por conta do paraguaio que o Renato Cajá fez muito pouco pela Ponte. Marcou bem o meia adversário e cumpriu importante função tática.

Dakson – tentou muito, não acertou nada. Foi quem mais finalizou, mas nenhuma levou perigo; arriscou várias bolas enfiadas para os companheiros, mas errou todos os passes. Só valeu pela sua participação na jogada do gol vascaíno.

Maxi Rodríguez – uma participação que poderia ser uma explicação do porque Joel não lhe dá mais chances como titular. Não conseguiu ser o articulador que o time precisava e abusou das jogadas individuais, volta e meia tentando passar por dois, as vezes três marcadores. Finalizou uma vez com perigo.

Lucas Crispim – o melhor jogador de frente do time, não apenas por ter marcado o gol, mas também por sua movimentação. Em alguns momentos também pecou pelo individualismo, mas se saiu melhor que o Maxi nessas horas. Pediu para sair e deu lugar ao Montoya, que entrou quando o Vasco já estava no tudo ou nada e não conseguiu se sobressair no meio da bagunça que imperava no time.

Kléber – justificou sua presença em campo ao dar o passe para Crispim abrir o placar. Fora isso, correria e disposição, mas pouca efetividade. Perdeu o gol mais feito do Vasco, ainda no primeiro tempo, cabeceando uma bola relativamente fácil para fora.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

74 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos

Nem vi, nem precisava ver.

Como eu torço por um time que atualmente disputa uma divisão inferior do futebol brasileiro, estou sujeito a não assistir algumas partidas por conta dos horários estranhos nos quais elas ocorrem. Com o trânsito caótico da cidade, ainda mais em um primeiro dia realmente útil depois do início do horário de verão com chuva, seria impossível estar às 19h30 na frente de uma TV com pay-per-view para ver América-RN x Vasco ontem. Portanto, aviso logo, não vi o jogo.

E nem precisava ver.

Acompanhando a partida pelo tempo real do globoesporte.com, que mal e porcamente cita os principais lances do jogo, só via ataques do América e esparsas jogadas vascaínas. O que não batia com a informação, lançada pouco depois do primeiro tempo chegar à sua metade, de que tínhamos 62% de posse de bola. Fui ao Twitter, perguntei o que estava acontecendo, e confirmei que não precisava ver a partida, porque ela era igual a várias outras já vistas no campeonato: ficar com a bola sem criar e sofrer com contra-ataques já é um hábito para essa equipe.

Ainda pelo 3G vagabundo do meu telefone, acompanhei o sufoco que passamos até o fim do primeiro tempo e a reclamação da torcida pelas redes sociais. Vi o time voltar do intervalo sem que Joel achasse que era necessária alguma alteração. Vi nosso treinador mudar de ideia após sofrermos o primeiro gol. Vi o Vasco não conseguir reagir até sofrer o segundo gol, menos de 10 minutos depois. Não cheguei a ver, mas imagino a bagunça que o time deve ter se tornado, com jogadores nervosos, alterações que não trouxeram resultado e ainda tendo que ouvir “olé” da torcida de um clube que, mesmo com a vitória, não conseguiu sair do Z4 da, é sempre bom lembrar, Série B.

Não apenas eu, mas nenhum vascaíno precisava ver a partida de ontem. Ninguém precisava ver um dos maiores clubes do futebol mundial perder duas partidas em sequência para times da parte debaixo da tabela da segunda divisão, sofrendo três gols e não marcando nenhum.

Ninguém precisa ver um time armado por um treinador ultrapassado e que insiste em não escalar os melhores jogadores que tem à disposição (e o que é pior, sem explicar as razões das suas escolhas).

Não precisávamos ver o Vasco passar apenas uma noite na liderança de uma competição de nível baixo como essa e, à sete rodadas para o seu fim, ver as chances de título – uma obrigação mínima para um clube com a nossa grandeza – se esvaírem por não conseguirmos fazer nosso papel de forma minimamente aceitável.

E, por último, não precisávamos passar pela humilhação de ficarmos aliviados com as derrotas dos nossos adversários para não perdermos mais uma posição na tabela e nem ficarmos mais perto de sair do G4.

O estrago está feito e nem que vençamos todas as sete partidas que nos restam ou mesmo a agora muito difícil conquista do título apagará a campanha ridícula que tivemos nessa ainda mais ridícula Série B.
***

Sabemos que vamos encontrar equipes fechadas. E se a gente ficar atrás, também tocando, um time moroso, como a gente tem sido, (…) não vamos conseguir vencer. Tem que se impor, independentemente do local e adversário. Infelizmente não temos feito isso. Precisamos melhorar no geral, na postura. Jogadores experientes que têm que assumir a responsabilidade e saber que precisamos melhorar

Qual é o time do Vasco? Ainda não temos um time. Uma hora joga com três volantes ou dois meias. Não encontramos uma equipe ideal. (…) Perdemos partidas que não temos condições de perder. (…) Aqui é Vasco. Se for para perder que seja jogando para frente

É cômodo fazer o mea culpa nessa hora e jogar pra torcida, mas as declarações do Kleber são simplesmente o resumo do que toda a torcida tem pensado desde o início do campeonato. Com poucos meses de casa, o Gladiador mostrou estar mais próximo do que deve ser o Vasco que o Natalino, que tem décadas de clube.

***

Meu medo é que, aproveitando a péssima atuação com apenas dois volantes, Joel encontre a justificativa que queria para atuar sempre com três. Aí é que a vaca vai pro brejo de vez.

***

Apesar de tudo, não é o momento para a torcida abandonar o time. Mesmo que a indigência da equipe nos obrigue a pensar muito mais em termos de G4 do que no título, precisamos lotar São Januário no sábado, nem que seja para mostrar nossa insatisfação e cobrar raça dos sujeitos. Quem sabe uma vitória sobre o líder não é o que esse grupo precisa para tomar vergonha e acabar o campeonato sem nos trazer mais preocupações?

***

Joel, já passou da hora da torcida ter uma explicação das razões pelas quais Maxi Rodriguez ainda não é titular da equipe. Ninguém espera que ele seja o salvador da equipe, mas os Fabrícios, Daksons e Clays da vida é que não serão mesmo.

***

Atuações? Fala sério!

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

46 Comentários

Arquivado em Resenhas, Vídeos