Arquivo da tag: Joel Santana

Burrice

burriceEm dezembro do ano passado, a diretoria procurava um substituto para Joel Santana e anunciou no site oficial do clube que Marquinhos Santos seria o novo técnico do Vasco. Apesar da nota oficial ter sido apagada do site, o fato é que, para o clube, a contratação estava garantida.

O problema é que não estava. No dia seguinte Marquinhos refugou e desistiu de assumir o cargo. Ele se desculpou, assumiu a culpa pelo acontecido e apenas parte do mico – a parte na qual a diretoria anunciou uma contratação sem qualquer contrato ter sido anunciado – recaiu sobre o Vasco.

Mas eis que seis meses depois a história se repete, só que de forma mais ostensiva. O presidente do clube convocou uma coletiva para anunciar o novo técnico e alguns reforços e pimba, repete o erro cometido em dezembro: conta como certa uma contratação para depois ela não se concretizar.

Diante dos problemas que atravessamos hoje, a chacota em que o Vasco foi jogado por conta do Léo Moura não é nada. Mas mostra que a diretoria não aprende com seus erros. E, diferente do caso com Marquinhos Santos, dessa vez o jogador tem uma versão diferente dos fatos, o que torna o acontecido um mico muito maior.

E por conta disso, está o Vasco mais uma vez sendo alvo de piadinhas generalizadas numa situação que não precisaria ter acontecido. Já teria sido uma besteira fora do comum contratar um jogador às portas da aposentadoria, que foi praticamente dispensado do nosso maior rival, que tem enorme identificação com a mulambada e que em várias situações fez questão de humilhar a instituição Vasco da Gama. Agora, anunciá-lo como reforço antes de uma assinatura ou mesmo de uma declaração à imprensa que comprovasse a história de que foi ele quem procurou o clube foi repetir, de forma pior, um erro que já havia sido cometido. E como todos sabemos, errar é humano,  mas repetir o erro é burrice.

***

A diretoria diz que o Léo Moura se ofereceu ao clube. Já o jogador afirma que recebeu uma proposta do clube. A primeira hipótese é muito mais lógica, já que o mesmo Léo Moura fez o mesmo no Fluzim antes, cavando uma vaguinha no Laranjal. Mas no disse-me-disse, haverá gente que acreditará no sujeito. E nessa, o Vasco passa por rejeitado, aumentando a chacota.

Se a diretoria mantém a sua versão da história, caberia até um processo pra cima do Léo Moura, para deixar claro quem está mentindo na história.
E caso ficasse provada a veracidade da versão vascaína, que se cobrasse uma bela indenização por danos morais. Não seria menos que o merecido para um “profissional” que além de mendigar uma vaga no rival só para fazer pirraça, se comportou como um verdadeiro moleque na história toda.

***

Enquanto os reforços não chegam e o projeto para trazer o Ronaldinho Gaúcho não aparece (se o clube tivesse R$ 3 milhões sobrando talvez não houvesse a necessidade do tal “projeto“, não é mesmo?), a diretoria segue desinchando o elenco. O que é bom, já que o tal teto salarial por jogador deve ir mesmo pras cucuias: Yago foi emprestado para o futebol norte-americano. Seu destino é o Minnesota United.

Apesar de o último remanescente do “kit substituição” do Doriva, que tanto nos irritou, acredito que o garoto ainda pode evoluir e ser realmente útil ao Vasco no futuro. O empréstimo pode servir para trazer mais experiência ao Yago. Isso, claro, se alguém pode realmente sair mais experiente de uma passagem na terra do soccer.

***

Já que falamos em micos…

Como já falaram muito por aí, acertar 90% com o Ronaldinho é fácil. Complicado são os 10% com seu irmão-empresário. O Palmeiras que o diga

Não satisfeito em confiar demais na palavra do Léo Moura, o presidente do Vasco mais uma vez mostra confiança total em acordos verbais. Segundo ele, Assis teria afirmado que Ronaldinho só atuará pelo Gigante, caso fique no Brasil. Enquanto isso, o irmão do jogador segue fazendo negócios como sempre fez: prometeu coisas ao Vasco, mas não deixou de se reunir com o Fluzim.

Os tricoletes não se manisfestarão oficialmente sobre o negócio até que ele esteja fechado. Isso evitará que o Laranjal pague um mico, coisa que – mais uma vez – pode acontecer com o Vasco.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

Anúncios

92 Comentários

Arquivado em Notícias, Reforços, Transferências

A espera de um presente

giftO Natal é essa semana e todo mundo gosta de ganhar presentes. E com os torcedores de futebol não podia ser diferente: não há um vascaíno na Terra que não esteja ansioso pelo anúncio de algum reforço, de preferência de qualidade comprovada, para terminar o ano com esperanças maiores de um 2015 melhor para o clube.

Mas, apesar dos acertos que tem até agora, a atual diretoria ainda não anunciou qualquer contratação. Isso é algo normal, já que o mercado da bola está parado, os jogadores estão em férias e mesmo a FFERJ está em recesso, o que inviabiliza a regularização de novos atletas.

O problema é controlar a ansiedade da torcida. Depois de um monte de especulações – a maioria completamente absurda – que foram prontamente negadas pelo próprio Eurico, nada de novo pintou no horizonte cruzmaltino. Aliás, até pintou, mas nada que fizesse a torcida se empolgar minimamente.

Claro que não há a impossibilidade de reforços menos cotados darem certo no time. Não se deve reclamar de alguém que sequer pisou no gramado de São Januário e é preciso dar uma chance para os atletas que chegarem. Mas só mesmo sendo um fã muito ardoroso do presidente para ficar animado com a chegada do volante Lucas, que se destacou pelo Macaé na Série C. Até porque, a busca de reforços nos clubes pequenos do Rio já pode ser chamada de tradição nas gestões do Eurico e todos sabemos que raros são os acertos.

O outro nome cogitado despertaria maior interesse: o meia Chiquinho, que teve algum destaque no Fluzim esse ano, não ficará no Laranjal e dirigentes vascaínos conversaram com seus representantes. Mas pelo que saiu na imprensa – sua saída do tricoflor por considerar baixa a proposta salarial e a falta de acerto entre o jogador e os cartolas do Vasco – me parece difícil sua vinda.

A diretoria certamente está a cata de reforços e faz muito bem em não divulgar quem interessa ou com quem negocia, já que isso só serve para criar leilões que prejudicam os acertos. Vamos torcer para que, mesmo com a diretriz para evitar gastos excessivos, a diretoria consiga reforçar o time com qualidade. E, se possível, que traga à torcida um bom presente antes do Natal.

***

Quando houve a parada para a Copa do Mundo, Adilson balançava no seu cargo, mas não caiu. No final do primeiro turno do Brasileiro, Adilson acabou rodando e a diretoria tentou contratar o Enderson Moreira, que preferiu o Santos. Poderia ter tentado a contratação do Doriva – que estava sem clube – nessa época, mas os presidentes do clube e do Conselho de Beneméritos preferiram o nome do Joel.

Joel veio, fez um trabalho ruim e acabou não tendo o contrato renovado pela nova Diretoria. Antes de pensarem no Doriva, pensaram no Marquinhos Santos (que declinou do convite), conversaram com Gilson Kleina e até, pasmem, Celso Roth.

Nenhum deles aceitou o teto salarial oferecido. Só então resolveram conversar com o Doriva. Só que aí, o Doriva já tinha assinado com o Botafogo-SP. Ele desistiu do clube paulista e aceitou a proposta do Vasco. Só que ninguém lembrou de falar uma coisinha: nós teremos que pagar a rescisão ao Botafogo de Ribeirão Preto. Segundo um dirigente do clube paulista, um valor não estratosférico, mas razoável.

E assim o Vasco toma mais um prejuízo por demorar a iniciar uma negociação. O Doriva tinha assinado com o Bota alguns dias antes de receber a proposta vascaína. Se nossos dirigentes não tivessem perdido tempo com treinadores que obviamente não aceitariam os valores que oferecemos ou que simplesmente não mereceriam a chance de comandar nosso time, talvez evitássemos de gastar mais essa grana.

***

Como falamos em Natal, não custa lembrar que a pedida certa para agradar um torcedor vascaíno que você tenha que presentear é visitar a loja Gigante da Colina e fazer suas compras. Dá uma clicada nesse link e confira as opções entre produtos oficiais do Vasco.

***

Tem coluna nova também no site Vasco Expresso, falando sobre o intenso patrulhamento feito pelos fãs da nova diretoria.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

86 Comentários

Arquivado em Notícias, Reforços

Pintou o professô…

marquinhos_coritibaE a primeira contratação para o futebol vascaíno em 2015 foi anunciada: o treinador para a próxima temporada é Marquinhos Santos, que será apresentado amanhã, na Colina.

Marquinhos não tem ainda a grife de grande treinador, mas não deve pedir vencimentos exorbitantes; não tem experiência com clubes de massa como o Vasco, mas já foi treinador de seleções de base, o que será importante em um ano no qual a molecada terá grande participação no nosso elenco; pode ser em parte uma aposta, mas já tem feitos e títulos como técnico que o credenciam como uma promessa. Entre os nomes cogitados, Marquinhos deve ser mesmo a opção com a melhor relação custo x benefício.

Mas a boa aposta feita no novo treinador pode redundar em fracasso caso não tenhamos reforços decentes. Basta olharmos o que aconteceu com o próprio Marquinhos ano passado: conseguiu reverter a situação ruim do Coxa e evitar sua queda, mas também teve um papel relevante no rebaixamento do Bahia. A diferença entre os dois trabalhos parece clara: o Coritiba tinha material humano para conseguir a virada, o Bahia não.  Como o próprio Eurico sabe, não adianta apenas ter um bom técnico se não tivermos um elenco aproveitável.

***

Ah: Marquinhos Santos não é Joel Santana. O que já é uma vantagem e tanto…

***

A escolha por Marquinhos também teve outro ponto positivo, esse mais sutil: o novo técnico era a escolha de Paulo Angioni. Eurico queria Gilson Kleina, com quem, dizem, estaria até apalavrado (o que mais tarde teria sido negado pelo Angioni).

Dificilmente veríamos o antigo Eurico dar o braço a torcer numa questão importante como essa. Isso é – ou pelo menos pode ser – um sinal de que o Eurico 2014 é mais afeito ao diálogo e ao consenso. Em outros tempos, não era rotina ver o homem do charuto levando em consideração a opinião dos seus comandados quando não era a mesma que a dele.

***

Para compensar, Eurico também mostrou que, se mudou, não foi completamente. Essa de mudar o nome da sala de imprensa, anulando a homenagem feita ao Chico Anysio, só porque o filho do grande comediante vascaíno apoiou outro candidato na eleição é algo muito feio. Uma vingancinha baixa, de uma pequenez que nada tem a ver com a história do Vasco.

Update: o site oficial do Vasco publicou a versão oficial do incidente sobre a Sala de Imprensa. A justificativa é bastante aceitável e serve para acabar com o mal entendido. Mas para a história se encerrar de vez, só quando a diretoria restabelecer a homenagem ao grande humorista.

***

Léo Moura?!?!? Tá certo que o Eurico já gosta de contratar um veterano, mas nas suas primeiras gestões ele escolhia ídolos do Vasco, não da mulambada.

Espero sinceramente que esse seja mais um dos vários boatos sem sentido que têm aparecido na imprensa.

***

Não se esqueçam! Pensando em comprar produtos oficiais do Vasco, visitem o lugar certo: a loja oficial do clube!

Comprando na Gigante da Colina vocês ajudam o Vasco e se for através dos links desse post, também dão uma moral ao blogueiro!

umbro_banner1200x460_lancamento_camisa_Vasco_v2_r0

As camisas da Umbro estão com um preço especial na Gigante da Colina. Cliquem na imagem e confiram!

SacolapromoE nas compras acima de R$ 99,90, todo mundo leva de presente pra casa uma sacola esperta do Vasco!

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

27 Comentários

Arquivado em Notícias, Reforços, Update

No caminho certo

caminhoEnquanto só as saídas do time vão se confirmando, a ansiedade por reforços aumenta entre a torcida. Não que a equipe não precise de um verdadeiro expurgo, mas ver Maxi Rodriguez, um dos poucos desse grupo que ainda poderia ficar, voltar ao Grêmio e não chegar ninguém é obviamente preocupante.

Mas diante da situação do clube, é natural a cautela ao se contratar. E José Luiz Moreira está corretíssimo ao afirmar que não adianta trazer jogadores se os salários não puderem ser pagos. Infelizmente, nossa realidade é essa: Paulo Angioni terá que se desdobrar para reforçar o elenco sem cometer loucuras financeiras e com qualidade para montar um time digno do clube.

E se a notícia de que o Vasco sondou o treinador Gustavo Matosas é verdadeira, a direção do clube pelo menos mostra estar no caminho certo. O mercado de treinadores no Brasil está dividido entre ex-técnicos em atividade (como o que temos hoje), muitas promessas ainda não realizadas e os supervalorizados que, nem sempre, justificam seus salários astronômicos. Buscar um nome no exterior que tenha feito grandes trabalhos – Matosas em três anos no Leon do México tirou o time da segundona e conquistou o bicampeonato nacional – seria uma ótima opção.

Mesmo que seja difícil a contratação, o interesse por Matosas mostra uma criatividade inesperada  dos dirigentes vascaínos. Tornando isso uma tendência na busca por reforços para renovar o time, podemos ter boas surpresas daqui pra frente.

***

O problema é que o Dorival Jr. agora se encontra desempregado. Espero – e acredito que maioria absoluta da torcida também – que essa condição não o torne uma opção para o Vasco. Seria um tremendo tiro no pé.

***

E por falar em técnico, o Natalino mandou muito mal ao tirar uma foto segurando uma camiseta alusiva à mulambada (não vou reproduzir a foto aqui pra não dar moral a quem não merece). Para quem estava cavando a permanência na Colina, a atitude é, para dizer o mínimo, um vacilo imperdoável.

Por muito menos que isso, Joel, você ganhou o cargo do Oswaldo de Oliveira no próprio Vasco. E você deve se lembrar quem foi o responsável pela troca.

***

Não sei o que dá mais medo: o Vasco ainda pensar em contar com o Kleber ou imaginar a qualidade do tal Julio dos Santos. Porque, pra ser o plano B do Gladiador depois do que ele apresentou na Série B, convenhamos…

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

37 Comentários

Arquivado em Notícias, Reforços, Transferências

No lado certo

torcida-do-vasco13Eurico Miranda pode ter todos os defeitos do mundo, mas ninguém pode negar sua inteligência. Ele sabe exatamente o tamanho do problema que tem nas mãos e tudo o que fez até agora é jogar pra torcida, fazendo o que é possível para agradá-la.

E também não se pode negar que vem fazendo bem seu papel. Se a falta de grana vai inviabilizar as várias especulações que apareceram (e, vale dizer, algumas já fora negadas pelo próprio), Eurico age onde sempre teve maestria, na ação de bastidores. Primeiro, fez uma visita à CBF e mostrou bom relacionamento com seus dirigentes. Agora, consegue uma importante vitória política para o clube: pelo menos no Estadual, a torcida vascaína assistirá os jogos contra o Fluzim no lado direito das arquibancadas da Arena Maracanã.

Possa esse novo Mário Filho ser chamado de Maracanã ou não – pessoalmente não considero aquele estádio genérico o velho Maraca de guerra – o Vasco conquistou o direito de escolher o lado em que sua torcida ficaria no estádio localizado na Avenida Presidente Castelo Branco. O consórcio que administra a Arena e o clube do laranjal ignoraram a história? O erro foi deles. A lógica do dinheiro não pode, ou não poderia, ficar acima do que é justo. O Vasco está no lado certo nessa questão.

Na prática, a decisão nem é lá tão grande coisa. Além de valer apenas para o Estadual, o que significa uns dois ou três jogos apenas, tenho minhas dúvidas se os tricoletes deixarão isso barato (com um contrato na mão eles podem muito bem ir à justiça e aí, todos sabemos como seus advogados são eficientes). Simbolicamente, porém, a importância é enorme: para o Vasco, que depois de anos volta a mostrar força política, para a torcida, que ganha pontos na sua combalida autoestima e para o Eurico, que fazendo o que faz de melhor, ganha pontos logo no começo da sua gestão.

***

(…) hoje têm muitos no mercado de qualidade e que são perfeitamente adequados aos valores que procuramos” – Paulo Angioni, falando sobre treinadores.

Há duas interpretações para essa declaração do novo gerente de futebol do Vasco. Uma, feita por todos os jornalistas, é de que os dias do Joel Santana na Colina estão contados; a outra, é uma dedução lógica que ninguém comentou: a torcida pode esquecer a pretensão de ter um nome consagrado no cargo.

Dário Lourenço e Alfredo Sampaio devem estar na expectativa….

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

62 Comentários

Arquivado em Notícias, Política, Reforços, Torcida

Férias, afinal!

 

jordi2O lado bom da partida de ontem contra o Avaí é óbvio: não ter mais que assistir a nenhuma atuação do time “armado” pelo Joel Santana é um presente para qualquer vascaíno. Tirar umas férias de futebol é certamente tudo o que todo torcedor mais estava desejando por esse restinho de 2014.

E pelo apresentado ontem, se a torcida precisou suportar o tormento de mais 90 minutos de um jogo medíocre antes de poder desfrutar um merecido descanso, parece que os jogadores do Vasco não se preocuparam muito com essa formalidade e já entraram em campo de férias. Tirando uns 10 minutos na etapa inicial e os cinco minutos finais do segundo tempo, quando ainda corremos um pouquinho, o que vimos foi um bando de jogadores não apenas descompromissado com o que acontecia no gramado, mas que também não deu a mínima para o fato de estarem representando um clube com uma história secular.

Mas sinceramente, nem vale a pena reclamar mais disso, já que essa foi a tônica do campeonato. O descaso com a tradição vascaína já foi devidamente comprovado com as diversas atuações abaixo da crítica e com a classificação final desse time. Não será agora, quando finalmente poderemos ficar felizes pela certeza que nunca mais veremos esse grupo de jogadores com a camisa do Vasco, que vou repetir as mesmas reclamações que faço desde o começo dessa maldita Série B. Hoje, o melhor é agradecer por pelo menos não termos encerrado nossa participação no campeonato sofrendo mais uma goleada humilhante. Para quem entrou em campo mais preocupado com as muambas que comprarão nas viagens de férias, até que esse time conseguiu um feito ao perder pelo placar mínimo.

No mais, não serei ingrato: fica meu agradecimento ao grupo por ter conseguido nos levar de volta à elite, mesmo que tenhamos tido uma sorte danada do Coelho ter perdido seis pontos e dos concorrentes diretos ao acesso tenham tido uma queda de rendimento brutal no segundo turno. Nem todo mundo reconhece, mas há mérito em ser menos ruim que os outros.

Até logo, Vasco e adeus – assim esperamos – para uns 90% desse elenco. Que vocês aproveitem as férias tanto quanto a torcida vai aproveitar.

***

Atuações? Sério mesmo?

Pelo que fizeram ontem, só dá pra livrar a cara do Jordi, que realmente teve uma boa atuação, com grandes defesas e culpa nenhuma no gol, já que foi de pênalti. Por incrível que pareça, Lorran (que chegou a fazer uma ou duas boas jogadas) e Kleber ( por ter corrido e tentado fazer alguma coisa) também escaparam do desastre. Luan e Anderson Salles vacilaram em alguns momentos, mas não chegaram a comprometer mesmo com um Avaí que procurou bem mais o jogo. O resto do time foi fraco ou simplesmente terrível, principalmente Diego Renan, que cometeu um pênalti ridículo e Douglas, que devia estar com a mente no churrasco que fará nesse domingão e só apareceu quando errou passes.

***

promoAgora é esperar um time completamente reformulado em 2015. E nada melhor que receber uma nova equipe com camisas novas do Vascão. Então a boa é aproveitar a promoção das camisas da Umbro na Gigante da Colina, a loja oficial do Vasco. Cliquem para conferir as ofertas das camisas de campo e a de goleiro no site.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

24 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos

Tranquilidade após a raiva

O expediente de deixar para o dia seguinte a escrita da resenha das partidas do Vasco, com o claro objetivo de tentar fazer uma análise mais racional e menos emotiva, não vai dar certo para a vitória do Vasco sobre o Vila Nova. Mesmo que o resultado tenha praticamente garantido nossa volta à elite, é impossível lembrar do jogo e não sentir uma raiva profunda do triste espetáculo.

Porque foi exatamente isso que Joel e seus comandados conseguiram ontem: irritar profunda e completamente os vascaínos (ou pelo menos esse que vos escreve). A inexistência de um padrão de jogo, os erros individuais e até um aparente descaso dos envolvidos com a necessidade da vitória foram o bastante para nos tirar da simples apatia de quem assiste uma partida de futebol ruim para a ânsia de espancar cada um dos presentes por ousarem se achar no direito de poderem usar a armadura cruzmaltina.

Esse sentimento foi mais forte ao longo do primeiro tempo. A bagunça do time e a profusão de pixotadas foi tamanha que conseguimos sofrer um gol – em um lance dantesco da zaga – de um time já rebaixado para a Série C antes de criar qualquer boa chance de ataque.

(Aqui vale uma parêntese sobre o Vila Nova: nosso adversário teve o pior ano de sua história, sendo rebaixado não apenas no Brasileiro, mas também no Campeonato Goiano. Em 49 partidas oficiais, o Vila perdeu 31 e venceu apenas 12. Uma delas, para evidenciar nossa terrível fase, sobre o Vasco. Fecha parêntese).

Mesmo com o Vila Nova mostrando uma disposição malabranqueana para uma equipe que não tem mais objetivos na competição, era totalmente inaceitável estar atrás no placar para um oponente com aquele nível. Ainda assim, nosso empate só surgiu como uma retribuição ao gol que demos: o zagueirão do Vila se empolgou e entrou numa de sair driblando na frente da área justo na frente de Guiñazu. O gringo roubou-lhe a bola e passou para Carlos Cesar, que fez questão de manter o nível da partida, marcando com um chute muito do mequetrefe.

Indo para intervalo em igualdade, Joel, que passou o primeiro tempo inteiro berrando e xingando seus comandados, deve ter reservado alguns impropérios para o vestiário. Isso porque, se o time voltou com a mesma desorganização da etapa inicial, pelo menos resolveu correr um pouco. Dada a fragilidade do Vila Nova, isso bastou para que o Vasco não apenas dominasse a partida, como também virasse o placar, com Douglas marcando seu 10o gol no campeonato, depois de cobrança de falta de Maxi Rodriguez.

O Vasco manteve o Vila Nova no seu campo, mas ou o último passe não saía, ou as finalizações eram canhestras, impedindo que ampliássemos a vantagem. A tensão – vejam vocês, jogando contra quem jogávamos! – com a possibilidade do empate nos apavorou até os minutos finais, quando o inesperado aconteceu. Jhon Clay acerta uma improvável bomba em curva, colocando um definitivo 3 a 1 no placar e fazendo a torcida respirar aliviada já quase nos acréscimos.

Apesar da atuação terrível e da raiva durante a partida, a vitória nos deixa com a tranquilidade de precisar de apenas um ponto para, finalmente, sair de campeonato desgracento com a missão cumprida (em parte, claro, já que o título era uma obrigação). Agora é lotar a Arena Maracanã para o decisivo confronto contra o Icasa, que promete ser um adversário ainda mais complicado que o Vila Nova, já que eles ainda lutam contra o rebaixamento (só de ter que me preocupar com as possíveis dificuldades que o 18º colocado da Série B pode nos trazer já faz a raiva voltar feroz). Mas não é possível que não consigamos ao menos um empate com a equipe cearense. Afinal de contas, empatar foi o que mais fizemos esse ano.

***

Vale um comentário sobre o nosso “comandante” Natalino.

O descontrole dele ficou visível (ou melhor, audível) desde o começo da partida. Berrando, xingando e esbravejando o tempo todo, Joel deixou clara sua falta de controle do grupo. Nem falo do verdadeiro bando que foi o Vasco ontem, quando não mostrou um mínimo de organização ao longo dos 90 minutos. O pior é a impressão de que, se suas instruções tivessem sido minimamente claras, ele não precisaria gastar tanto a garganta.

Um monte de gente vai falar que a culpa é da ruindade dos jogadores e que não existe treinador que dê jeito nesse elenco. Mas reflitam: o principal problema do time ontem foi de ordem técnica ou tática? Se foi tático, e efetivamente foi, então a culpa é do Joel sim.

***
As atuações…

Martín Silva – sem culpa no gol. Passou a segurança necessária no primeiro tempo e pouco teve que fazer no segundo.

Carlos César – apoia bastante, mas é difícil concluir uma jogada. Acabou sendo útil, como no jogo contra o ABC, aparecendo de surpresa na área, dessa vez empatando o placar ainda no primeiro tempo e tranquilizando o time para o segundo.

Luan – errou tudo o que tinha que errar e foi uma dos alvos preferidos dos xingamentos do Joel.

Rodrigo – tirando a espanada desastrada que acabou dando o gol para o Vila Nova, fez uma partida segura, muitas vezes livrando a cara do seu companheiro de zaga. Mas nas cobranças de falta foi uma negação.

Lorran – outro que errou muito mais que acertou. Parecia nervoso, mas me pergunto por quanto tempo a sua juventude servirá como desculpa para atuações ruins.

Guiñazu – é uma espécie de Chuck Norris do futebol: ele não precisa de instruções de treinadores, já que sabe o que precisa fazer. Marcou com a disposição de sempre, deu o combate mais que todos seus companheiros de defesa juntos e ainda tentou ajudar na criação. No segundo tempo errou um passe que originou um contra-ataque, mas nada que comprometesse sua atuação.

Fabrício – tenta fechar os espaços no meio, mas vive deixando buracos na meiúca; quando sobe ao ataque, ou erra o passe decisivo ou tenta uns arremates constrangedoramente ruins. Pelo menos correu no segundo tempo.

Douglas – para um camisa 10, com a responsa de organizar as jogadas do time, a preguiça com que jogou o primeiro tempo era passível de justa causa. Compensou na etapa final, suando um pouco a camisa e marcando o gol da virada. Jhon Clay entrou em seu lugar e não seria percebido se não tivesse fechado o caixão do adversário, definindo o placar com um belo chute de fora da área.

Maxi Rodríguez – é daqueles que precisaria de uma bola exclusiva ao longo da partida. Como tenta muitas jogadas individuais, acaba igualmente errando muito. Tem a desculpa de jogar fora da posição: seu estilo não é o ideal para jogar mais próximo à área, onde a marcação aperta, e sim vindo de trás, criando os espaços para seus companheiros. Pelo menos é um dos poucos que correm o jogo todo, e ontem teve participação no resultado, saindo dos seus pés o cruzamento para Douglas marcar.

Rafael Silva – foi citado duas vezes enquanto esteve em campo: quando não alcançou uma bola que tocaram para ele e quase marcando de cabeça (o que até é bom para alguém que podemos chamar de quase jogador). Thalles entrou em seu lugar e deu muito mais trabalho para a zaga adversária e ainda ajudou na defesa. Precisa urgentemente acertar a hora de chutar, dar um passe ou driblar: invariavelmente toma a decisão errada e desperdiça bons lances.

Kleber – só não é mais irritante que o Douglas por correr o tempo todo. Por outro lado, não faz gols como o camisa 10 e com isso acaba sendo pior. Edmílson entrou em seu lugar e pouco foi notado.

***

banner

Sabadão tem jogo decisivo do Vascão. Então a boa é comprar uma camisa nova pra comemorar a volta à elite com estilo! Aproveite as ofertas do Mês dos Fanáticos na loja Gigante da Colina e faça a festa! Clica aí e confira as promoções.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

73 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos