Arquivo da tag: Bahia

Prós e contras

A vitória do Vasco sobre o Bahia por 4 a 3 foi daquelas que tanto os entusiastas como os críticos terão motivos de sobra para defender seus pontos de vista. Como falei no pré-jogo, por ser um confronto entre os dois únicos campeões brasileiros na competição, as duas equipes fariam a partida mais importante dessa Série B. E pelo que ofereceu de alternativas, acabou cumprindo essa expectativa.

A galera do “copo meio cheio” poderá exaltar a 31a partida invicta, os 100% de aproveitamento, a manutenção da liderança e os quatro gols marcados; já os que vêm o “copo meio vazio” lembrarão dos gols que sofremos, dos que perdemos e da dificuldade que deixamos o Bahia nos proporcionar mesmo jogando em casa. O ideal é não se prender a um dos lados e dar-lhes o mesmo peso em uma análise.

Na primeira etapa, a impressão que tivemos era que o time soteropolitano seria menos complicado do que esperávamos. Ainda que o Bahia tenha conseguido encaixar alguns contra-ataques, Jordi teve pouco trabalho e o Vasco soube manter a posse de bola e o adversário em seu campo de defesa. Com Eder Luis e Yago Pikachu se movimentando bastante no ataque e Thalles ao menos tentando não ficar tão parado na frente, Jorginho parece ter encontrado alternativas ofensivas para a ausência do Andrezinho (que ainda faz uma falta danada vide a dependência que tivemos das ligações diretas e a dificuldade na saída de bola).

Mesmo que na base dos lançamentos, conseguimos criar boas chances. Mas isso serviu também para mostrar a necessidade desesperadora de um maior poder de decisão para o time. Além das jogadas desperdiçadas por falta de capricho no último passe, também perdemos pelo menos três gols feitos que poderiam resolver o jogo já na primeira etapa. Outro ponto que merece atenção foram os espaços que deixamos para o Bahia contra-atacar, um problema que tivemos sempre que tentamos pressionar o adversário.

A ida para o intervalo indicava que teríamos um jogo bem mais tranquilo que o esperado, com dois gols de vantagem no placar (o primeiro com Thalles e o segundo com Luan). E na volta para o segundo tempo, o Vasco seguiu buscando o ataque, mas também desperdiçando chances e dando espaços para o contragolpe. Depois de uma cabeçada de Eder Luis defendida por Marcelo Lomba e outra de Thalles tirada em cima da linha por um zagueiro do Bahia, nosso adversário diminuiu. Depois de um passe errado no ataque, o tricolor veio pra cima, Jordi ficou indeciso na hora do cruzamento e Hernane recebeu, livre, para marcar.

O gol animou o Bahia e o jogo ficou franco. Mas o Bahia era mais eficiente e levava mais perigo. E numa falha de posicionamento da defesa vascaína, chegou ao empate. Mas a alegria baiana durou pouco por conta da nossa arma nada secreta: Nenê. Menos de dois minutos após o segundo gol do Bahia, o camisa 10 marcou um golaço chutando de fora da área após receber bom passe de Pikachu.

Daí em diante, a equipe baiana passou a buscar novamente o empate, propondo o jogo, enquanto ao Vasco coube jogar no contra-ataque, voltando a criar mais jogadas. Cerca de 10 minutos depois, Nenê ampliou marcando outro belo gol, em cobrança de falta. Ainda poderíamos ter marcado o quinto gol, primeiro com Caio Monteiro e depois com o próprio Nenê, em cobrança de pênalti, mas os dois desperdiçaram as chances. Jogo resolvido? Não! Aos 44 o Bahia ainda diminuiu, depois de confusão na área que terminou com Bruno Gallo marcando contra. Poderíamos no complicar novamente no jogo, mas não houve tempo para isso.

Não fizemos um jogo ruim, mas os três gols sofridos mostram que ainda precisamos melhorar. Mais uma vez Nenê fez a diferença, mas se isso nos garantiu a vitória ontem, deixa a preocupação na cabeça de todo torcedor: por enquanto, os prós do Vasco têm superado os contras. Mas o que acontecerá quando Nenê não estiver em campo?

As atuações….

Jordi – algumas boas defesas, mas falhou no primeiro gol ao dar uma saída em falso. Nos outros dois gols não teve culpa.

Yago Pikachu – uma atuação para deixar preocupado o Madson: muito consistente no apoio, o Pokémon vascaíno teve participação direta em três dos gols vascaínos. O único senão foi não conseguir impedir a cabeçada que originou o segundo gol do Bahia, mas bem que um jogador mais alto poderia estar no lance.

Rodrigo – como no último jogo, deu uma entregada que poderia nos complicar. Teve problemas com o ataque baiano.

Luan – também sofreu com os atacantes tricolores, mas compensou marcando um gol.

Julio Cesar – mesmo ficando mais preso à marcação, seu lado do campo foi várias vezes utilizado nas subidas do Bahia.

Marcelo Mattos – pra ele não tem bola perdida, mas foi envolvido algumas vezes pelo toque de bola do Bahia

Julio dos Santos – não conseguiu dar a segurança ideal à zaga e errou muitos passes, mas ainda assim foi importante, fazendo lançamentos para Pikachu que originaram dois gols do Vasco. Saiu para a entrada de Bruno Gallo, que deveria reforçar a marcação no fim do jogo, mas jogou contra o patrimônio marcando um gol contra.

Eder Luis – perdeu um gol feito, colocou uma bola na trave, quase marcou de cabeça e criou várias jogadas ofensivas. Ainda assim – ou talvez por isso – é o jogador mais irritante do time, pela quantidade de chances que desperdiça por errar o arremate ou o último passe. Deu lugar ao jovem

Willian Oliveira, que logo no primeiro lance roubou uma bola e iniciou a jogada que terminou em pênalti sobre Nenê.

Nenê – como sempre, decidiu: participou de três gols e fez duas assistências, para Eder Luis e para Caio Monteiro. Perder um pênalti que fecharia o caixão baiano não lhe tira o papel de melhor do time, mais uma vez.

Jorge Henrique – jogando mais recuado, mais uma vez distribuiu bem a bola.

Thalles – procurou mais o jogo, evitando ser uma figura parada entre os zagueiros. Marcou um gol com oportunismo e quase fez o segundo numa cabeçada, tirada em cima da linha. Caio Monteiro entrou em seu lugar e perdeu uma chance clara de gol, finalizando em cima do goleiro.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

Anúncios

37 Comentários

Arquivado em Atuações, Resenhas, Vídeos

Os únicos campeões

12Levando-se em consideração a tradição das duas equipes, o jogo entre Vasco e Bahia é o maior confronto dessa série B, já que não é sempre que times campeões brasileiros se encontram em divisões inferiores do futebol nacional. Para se ter uma ideia de como essa situação é rara, nas outras duas vezes em que passamos pelo constrangimento de estarmos onde estamos, isso só aconteceu quatro vezes: em 2009, contra o próprio Bahia e contra Guarani. Em 2014 éramos o único clube com títulos no Brasileiro.

Mas a realidade de hoje não permite que qualquer um dos times se prenda à sua tradição. Para o Vasco, nosso adversário de logo mais deve ser encarado como mais um compromisso na obrigatória missão de volta à elite. Já para o tricolor de aço, que amarga seu segundo ano consecutivo na segundona, vencer o grande favorito da competição na sua casa servirá como uma prova de que o Bahia entra com força na luta pelo acesso à Série A. Não que os objetivos do clube baiano tenham qualquer importância para nós. A seriedade com que o Vasco deve entrar em campo tem que ser a mesma com qualquer adversário, ainda mais diante da nossa torcida.

Nosso velho conhecido Doriva dirige o tricolor e terá menos problemas que Jorginho para escalar sua equipe. Além de só ter um desfalque, nosso ex-treinador pode contar com Renato Cajá, recém-contratado e já regularizado, podendo fazer sua estreia. Hernane, o ex-atacante mulambo é outro jogador que pode nos trazer problemas.

Já do nosso lado, continuamos sem três titulares (Martín Silva, Madson e Andrezinho) e Jorginho, apesar de não ter confirmado a equipe, deve repetir a formação que atuou boa parte do jogo contra o Vila Nova: Pikachu fica na sua posição de origem e Eder Luis ganha a vaga do Andrezinho, deixando o time num 4-2-3-1, com Nenê com liberdade para chegar junto do Thalles no ataque. É uma escalação ofensiva, adequada para um jogo em casa. Mas é preciso lembrar que essa formação só funcionou a contento na última partida depois que Diguinho entrou no lugar do Julio dos Santos, reforçando a marcação no meio de campo. E, claro, porque nosso camisa 10 estava naqueles dias irrepreensíveis.

Claro que todos esperamos por mais uma atuação endiabrada do Nenê, mas já passou da hora do Vasco encontrar alternativas para as partidas em que isso não aconteça. Caso isso aconteça na partida de hoje, uma vitória contra um dos candidatos mais fortes a uma vaga no G4 da competição servirá não apenas para mantermos a liderança na tabela, mas também que o Vasco não depende unicamente do craque do time.

 

Vasco X Bahia

Vasco X Bahia

Jordi; Yago Pikachu, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Julio dos Santos, Eder Luis (Bruno Gallo ou Evander) e Nenê; Jorge Henrique e Thalles.

Marcelo Lomba; Tinga, Lucas Fonseca, Jackson e João Paulo; Feijão, Paulo Roberto, Danilo Pires e Luisinho; Thiago Ribeiro e Hernane.

Técnico: Jorginho.

Técnico: Doriva.

Estádio: São Januário. Data: 28/05/2016. Horário: 16h30. Arbitragem: Emerson de Almeida Ferreira. Auxiliares: Pablo Almeida da Costa e Sidmar dos Santos Meurer.

A Rede TV e a Rede Brasil transmitem ao vivo (exceto para o Rio de Janeiro). O Canal Premiere transmite para todo Brasil no sistema pay-per-view.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

1 comentário

Arquivado em Adversários, Pré-jogo