Arquivo da categoria: Títulos

Fazer o resultado antes de fazer história

09Hoje é um daqueles dias em que o Vasco dará a prova que não foi o clube que caiu, e sim que a Série B subiu. Só mesmo o Gigante para conseguir fazer história mesmo estando numa posição que não condiz minimamente com…sua história. Se o Atlético-GO não for capaz de nos vencer hoje em Cariacica, completaremos 35 partidas sem derrotas, igualando nossa maior série invicta em 100 anos de futebol.

Tentarão diminuir o acontecimento, falando que “disputando a segundona é fácil”, mas é preciso lembrar que apenas sete dessas partidas foram pelo Brasileiro (e duas delas com os tradicionais Bahia e Goiás). Nesse tempo sem perder, tivemos oito clássicos contra nossos maiores rivais e encaramos clubes que somam cinco títulos mundiais, seis libertadores e quase 40 títulos Brasileiros. Digam o que disserem, é um grande feito mesmo se contextualizarmos o momento do clube.

Mas não podemos esquecer um detalhe importantíssimo: para atingirmos a marca, precisamos evitar que nosso adversário nos vença. E calhou de termos justo hoje a partida que pode ser a mais difícil na competição. Isso porque o Atlético-GO é o time com a segunda melhor campanha na Série B e, o maior complicador, não contaremos com Nenê, suspenso pelo terceiro amarelo.

Como de costume, Jorginho não confirmou os titulares e as possibilidades mostram a falta que o camisa 10 faz ao time. Dificilmente a entrada do Pikachu improvisado na criação ou escalar três atacantes com a entrada do Eder Luis vão suprir a ausência do Nenê a contento. Mas se essas são as opções, ainda acho melhor a segunda: além do time já estar acostumado a essa formação (utilizada enquanto Andrezinho estava contundido), Jorginho ainda pode escalar Pikachu na sua posição de origem, onde notadamente rende mais. Tá certo que Eder Luis tem errado muito mais que acertado, mas com ele em campo o time tem mais opções ofensivas, o que será importante já que nosso jogador mais decisivo não jogará. Com William ao lado de Marcelo Mattos à frente da zaga, Andrezinho terá mais liberdade para criar jogadas e a entrada do Pikachu no meio não seria tão efetiva.

Todos os jogadores do Vasco sabem que podem fazer parte de um feito histórico do clube ao fim dessa partida. Mas eles não podem priorizar a horaria que merecerão se igualarem o recorde de invencibilidade e esquecer que vencer o jogo nos deixará com uma folga ainda maior na liderança. Fazer história é importante, mas o campeonato, no momento, é ainda mais.

Atlético-GO X Vasco

Atlético-GO X Vasco

Marcos; Matheus Ribeiro, Marllon, Lino e Pedro Bambu; Michel, Willian Schuster, Magno Cruz, Luiz Fernando e Gilsinho; Júnior Viçosa.

Jordi; Madson, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Diguinho, William Oliveira, Andrezinho e Yago Pikachu (Eder Luis); Jorge Henrique e Leandrão (Thalles).

Técnico: Marcelo Cabo.

Técnico: Jorginho.

Estádio: Kleber Andrade. Data: 11/06/2016. Horário: 16h30. Arbitragem: Vinicius Goncalves Dias Araujo. Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Gustavo Rodrigues de Oliveira.

A TV Brasil e a Rede TV transmitem para todo o Brasil (exceto Goiânia-GO). O Canal Premiere transmite para todo Brasil no sistema pay-per-view.

***

Uma injustiça o Nenê não estar em campo na partida em que o time pode igualar a maior série invicta da sua história. Mas atingirmos hoje os 35 jogos de invencibilidade, nosso camisa 10 ainda poderá fazer história na partida seguinte, quando a equipe pode superar a marca de 70 anos, conseguida pelo Expresso da Vitória. E, melhor ainda, em São Januário, diante da nossa torcida (não que hoje não tenhamos também um estádio lotado de vascaínos).

***

ouroO Campo Mourão fez uma campanha melhor que a do Vasco ao longo de toda a Liga Ouro de Basquete. Nos venceu três vezes em quatro partidas na primeira fase e chegou às finais antecipadamente enquanto tivemos que fazer uma semifinal com o Ginástico. Nas finais, o time paranaense abriu 2 a 0 na melhor de cinco e parecia que a volta do Vasco à elite do basquete nacional seria adiada.

Mas aí o basquete vascaíno mostrou que é Vasco: venceu as duas partidas em São Januário e empatou a série em 2 a 2. E para provar que somos o time da virada seja com a bola na rede ou na cesta, vencemos aquela que vinha sendo a melhor equipe do campeonato na sua casa, virando a melhor de cinco e levando a Liga Ouro por 3 a 2.

Estamos no NBB. Podem tremer adversários…

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

18 Comentários

Arquivado em Adversários, Basquete, Pré-jogo, Títulos

Drama e êxtase

Uma final não é apenas mais uma partida entre tantas em um campeonato. Toda final é um momento que supera e redime qualquer competição.

O estádio lotado não tem apenas torcedores, mas testemunhas de um acontecimento histórico, uma pequena epopeia repleta de drama e êxtase. Mas apenas um lado tem o que comemorar ao apito final. E, geralmente, o vencedor é quem passa por essa montanha-russa de emoções sem fraquejar.

A final entre Vasco e Botafogo foi assim. E ambos se provaram merecedores protagonistas do último ato desse Estadual. No maior palco do esporte brasileiro, fizeram das finais um espetáculo à altura de suas tradições, se não pela técnica ou pela plasticidade do futebol apresentado, pelas emoções que proporcionaram às suas torcidas.

Como todo drama, a final teve seus heróis. Alguns, óbvios como Martín Silva e Nenê, mas também heróis improváveis: quem poderia imaginar que um atacante com 1,67m de altura fosse marcar um gol de cabeça em um dos melhores goleiros do país? Ou que um zagueiro, quase dispensado no ano passado, entraria inesperadamente na segunda partida para marcar o gol do título?

Heróis inesperados podem ser um sinal de um elenco com opções ou – o que é mais provável – uma prova de que alguns jogadores têm estrela. Seja como for, na hora de decisão quem brilhou não foi a estrela solitária, mas sim a estrela do Jorginho e dos seus comandados. O que não significa que fomos campeões por obra do acaso; muito foi feito para o Vasco chegar onde chegou. O título é a coroação da competência de um trabalho traduzido numa invencibilidade de 25 partidas. Diante disso, não há como colocar qualquer mérito no acaso.

Vaz comemorando o gol do título (Foto: www.vasco.com.br)

Vaz comemorando o gol do título (Foto: http://www.vasco.com.br)

Somos bicampeões estaduais, repetindo um feito não conseguimos igualar por mais de 20 anos. E por mais que esteja na moda tentar diminuir a importância do Carioca, esse grupo do Vasco escreveu ontem um capítulo na história do clube que nunca será esquecido.

As atuações…

Martín Silva – não precisou fazer milagres, mas fez pelo menos duas daquelas grandes defesas que lhe garantem o mérito de ter sido um dos principais – talvez O principal – responsáveis pelo título.

Madson – sem a necessidade de atacar constantemente, se ateve mais à defesa e, ainda assim, falhou no lance do gol botafoguense. Para compensar, numa das poucas arrancadas que deu rumo ao ataque, acabou sofrendo a falta que originou o gol do título.

Luan – errou a maioria dos lançamentos e viradas de bolas que arriscou, mas vinha tendo uma atuação segura, se saindo bem no confronto direto e não tendo pudores ao apelar para os chutões quando necessário. Acabou sendo substituído no intervalo, lesionado. Rafael Vaz entrou em seu lugar e foi do inferno ao céu em questão de minutos: deixou o Leandrinho sozinho no lance do gol botafoguense para pouco depois marcar o gol do título. Fora isso, manteve o nível da segurança na zaga, mas foi melhor que Luan nas saídas de bola.

Rodrigo – não conseguiu evitar o cruzamento que terminou no gol alvinegro, mas manteve o bom nível das atuações em clássicos. Jogou com firmeza e dificilmente perde uma disputa no mano-a-mano.

Julio Cesar –também foi tímido no apoio e mesmo assim foi seu lado do campo o melhor caminho para o Botafogo chegar ao ataque.

Marcelo Mattos – incansável no combate, mas erra muitos passes. Em alguns momentos foi envolvido pelos meias botafoguenses.

Julio dos Santos – procurou ocupar os espaços no meio de campo e o fez bem. Mas poderia ser mais participativo na criação de jogadas. Sua única participação ofensiva com algum destaque foi em um corta-luz que deixou Riascos na cara do gol. Yago Pikachu entrou em seu lugar quando o jogo estava empatado, provavelmente para explorar os espaços que apareceriam contra um Botafogo que precisava desesperadamente de um gol. Não chegou a cumprir essa função e apesar do esforço, não manteve o nível do Julio na marcação pelo meio de campo.

Andrezinho – mais uma vez ditou o ritmo do Vasco, voltando para iniciar as jogadas e ajudando também na marcação. Participou dos melhores lances do time e ainda apareceu na frente para finalizar.

Nenê – foi o Nenê de sempre. Sofreu com a marcação, recebeu uma penca de faltas, reclamou do juiz, perdeu algumas bolas bobas e pouco fez em campo. Isso até achar que está na hora de resolver a partida e ser decisivo: saiu dos pés do camisa 10 o cruzamento para Rafael Vaz marcar o gol do título.

Jorge Henrique – se recebesse o salário de acordo com as funções que faz em campo, seria o mais bem pago do elenco: cobre o lateral até a linha de fundo, dá o combate no meio de campo e, quando sobra algum tempo, é visto até no ataque! Jogue bem – como ontem, quando fez algumas boas jogadas no ataque no primeiro tempo – ou mal, é impressionante seu comprometimento com as tais “funções táticas”.

Riascos – teve apenas uma chance clara para marcar, mas chutou fraquinho após corta-luz do Rúlio dos Santos. Se não tentasse sempre driblar todos os jogadores que encontra pela frente e colaborasse mais com passes no ataque, seria mais eficiente. Saiu no fim do jogo para a entrada do Diguinho, que só tinha mesmo uma função em campo: correr como um louco e ajudar a fechar o meio de campo.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

38 Comentários

Arquivado em Atuações, História, Resenhas, Títulos, Vídeos

Uma estreia promissora

O que mais me agradou na vitória do Vasco sobre o Bangu por 2 a 0 foi a postura do time em campo. Pelo que vimos, parece que a equipe do Jorginho encarou mesmo o início da Taça Guanabara como a primeira partida pra valer no ano e se impôs sua superioridade em campo na maioria absoluta dos 90 minutos.

Independente das limitações do adversário, os 10 minutos iniciais foram provavelmente os melhores do Vasco no Estadual. Com bom toque de bola ao atacar e uma marcação eficiente, praticamente não demos chances para o Bangu fazer qualquer coisa além de se defender. Termos tido quatro finalizações nos cinco primeiros minutos com bola rolando mostra o tamanho da pressão sofrida pelo alvirrubro no começo da partida. Com um pouco mais de capricho nos arremates e sem a excelente atuação do goleiro Célio, poderíamos ter aberto o placar bem mais cedo.

Mas não abrimos e aos poucos o Bangu conseguiu dar suas primeiras escapadas para o ataque. Nada porém que chegasse a ameaçar. Martín Silva poderia levar suas luvas em qualquer loja e pedir sua troca alegando que não as utilizou. Depois de um tempo sem muitas emoções, veio o resultado prático do adversário não ficar mais tão fechado em sua defesa: surgiram mais espaços para o Vasco avançar e abrir o placar. Madson avançou, recebeu boa bola do Julio dos Santos e centrou para a área; Jorge Henrique entrou de carrinho e marcou.

Mesmo com a vantagem o Vasco seguiu pressionando e o 1 a 0 só permaneceu no placar até o fim da primeira etapa por conta do goleiro do Bangu, que fez pelo menos um milagre, em cabeçada certeira do Rodrigo. Jorginho chegou a lamentar que seu time não tivesse matado a partida com as chances que teve, mas achou por bem não fazer qualquer substituição no intervalo.

Sem alterações no Vasco, sem alterações na partida. Seguimos pressionando, criando jogadas e impedindo que o Bangu criasse chances. Com a partida controlada, só estava faltando o segundo gol, o que aconteceu aos 29 em jogada de Andrezinho com a zaga: o meia cruzou, Rodrigo cabeceou para o meio da área e a bola encontrou a perna do Luan e terminou na rede.

Com o 2 a 0 no placar o Vasco naturalmente diminuiu o ritmo. Com isso o Bangu tentou crescer e teve algumas boas chances em contra-ataques. Poderíamos até ter sofrido um ou dois gols, mas os atacantes adversários pareciam determinados em não dar trabalho ao nosso goleiro e chutaram todas longe do gol. Nos minutos finais Jorginho fez as três substituições, colocando Caio Monteiro, Mateus Vital e Índio em campo. Os garotos não tiveram tempo para fazer muita coisa e nem seria necessário. A vitória já estava mais que garantida.

É sempre bom lembrar que o Bangu não chega a ser parâmetro para muita coisa. Mas a atitude do Vasco em campo, essa sim, serve para deixar a torcida confiante. Diante do que os rivais têm apresentado na competição, nosso time parece estar num padrão de jogo um pouco melhor, o que pode fazer a diferença na hora dos jogos decisivos. Se considerarmos que essa foi a primeira partida que realmente valia alguma coisa nesse ano, a torcida pode ficar satisfeita com o desempenho do Vasco nessa estreia.

As atuações…

Martin Silva – sua ida à São Januário ontem só se justificou pela homenagem recebida por completar 100 jogos com a camisa do Vasco. Fora isso, não precisou fazer quase nada em campo.

Madson – fez um bom primeiro tempo – quando foi presença constante no apoio e acertou um dos seus raros cruzamentos – e acabou sendo mais discreto na etapa final.

Luan – sem muitas preocupações na zaga, acabou dando as caras no ataque algumas vezes. De tanto fazer isso, acabou marcando o segundo gol do time.

Rodrigo – também não teve muitos problemas com o ataque adversário e foi visto tentando aprontar alguma coisa no ataque. Em dois lances quase marcou o seu – no primeiro, evitado por um milagre do goleiro do Bangu e no segundo, por cometer entrada faltosa ao disputar a bola – e em outro ajeitou de cabeça para Luan marcar (ainda que involuntariamente).

Julio Cesar – foi mais presente no apoio que de costume e conseguiu criar alguns lances de perigo quando avançou. Ainda assim fez uma partida segura defensivamente, não deixando espaços pela sua lateral.

Marcelo Mattos – fez bem o papel de proteção à zaga, mesmo que tivesse que apelar para as faltas em alguns lances. Com o time cansando no segundo tempo e sendo o único a se preocupar exclusivamente com o combate, passou a ter alguns problemas para fechar os espaços pelo meio de campo.

Julio dos Santos – participou bastante do jogo, mas segue sendo muito lento na recomposição e errando a maioria dos passes decisivos. Ao menos ontem iniciou a jogada do primeiro gol, acertando bom passe para a infiltração do Madson.

Andrezinho – mesmo tendo que ajudar na marcação foi o jogador mais útil da criação. Participou da maioria das jogadas ofensivas do time, incluindo aí o cruzamento que originou o segundo gol. Saiu já nos acréscimos para a entrada do Matheus Índio, que viu o árbitro apitar o fim do jogo assim que pisou em campo.

Nenê – como não poderia deixar de ser, foi muito marcado e teve problemas para ser o cérebro do time. O excesso de tentativas de jogadas de efeito também atrapalharam um pouco. Como na última partida, entrou tarde no jogo, tendo seus melhores lances com a partida já resolvida.

Jorge Henrique – ontem teve uma das suas melhores atuações pelo Vasco, não apenas pelo gol que marcou, ainda no primeiro tempo, mas por ter mostrado mais efetividade no ataque, não apenas correndo de um lado pro outro, mas procurando jogo e arriscando finalizações. Poderia até ter marcado outro se tivesse mais faro de gol. Saiu no final para entrada de Mateus Vital, que no pouco tempo que teve em campo só apareceu tropeçando sozinho quando puxava um contra-ataque.

Thalles – teve algumas chances, fez algumas boas jogadas, mas saiu em branco de campo. Caio Monteiro entrou em seu lugar já nos minutos finais e não teve muito tempo para aparecer.

***

Hoje é um dia de comemoração não apenas para o Vasco, mas para todo o futebol brasileiro: 14 de março é o dia de aniversário da primeira conquista internacional de um clube do Brasil, o I Campeonato Sul-Americano de Clubes. E o autor de tamanha façanha não poderia ser outro além do Gigante, instituição que faz do pioneirismo uma tradição.

Como segunda é dia de coluna no Vasco Expresso, falo desse grande feito lá no site. Cliquem e confiram.
***

voteATENÇÃO:  a votação n0 segundo turno do Prêmio Top Blog termina no próximo dia 31 de março e o Blog da Fuzarca precisa mais que nunca da ajuda de vocês. Para dar aquela moral ao Blog, basta votar – lembrando que é possível votar mais de uma vez – clicando no banner que está aí na lateral direita da página ou clicar aqui.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

22 Comentários

Arquivado em Atuações, História, Resenhas, Títulos, Vídeos

E começa 2016

Depois de um fim de ano terrível e de um longo período sem muitos motivos para nos animarmos demais, finalmente veremos nosso Vasco de novo em campo. Talvez a bola rolando nos faça esquecer da falta de boas notícias nesse começo de 2016 e uma vitória sobre o Madureira, na estreia do Estadual, pode fazer nascer a esperança de uma temporada feliz para todo vascaíno.

E mesmo levando em consideração a falta de ritmo, natural para qualquer time em janeiro, só uma vitória hoje na Colina será satisfatória. Se os reforços de renome não chegaram – teve o Pikachu e o Marcelo Mattos, mas os caras nem titulares são – a manutenção da base do ano passado deve servir como vantagem. Ainda que não tenhamos conseguido escapar do rebaixamento, o nível de futebol apresentado pela equipe no final do Brasileiro de 2015 deveria ser mais que o bastante para conseguirmos uma vitória tranquila sobre o tricolor suburbano.

Não servirá como desculpa o meio de campo escolhido pelo Jorginho, que não aparenta ser dos mais combativos, nem o fato do nosso ataque ser formado por jogadores que notadamente vivem brigados com a artilharia. Se esses problemas serão somados à falta de ritmo, há as compensações do time jogar junto há um bom tempo, estar descansado e, ainda que tenha limitações, ser bem mais qualificado que o do adversário (ver o Madura com um ataque formado por Geovane Maranhão e Souza e treinado por Alfredo Sampaio, todos de funestas lembranças para os vascaínos, é uma prova disso). Se Julio dos Santos vai molengar e vacilar no combate, Luan e Rodrigo devem resolver a questão. E para cada gol perdido pelo Riascos, o Nenê deve criar bons lances ou balançar as redes.

Um bicampeonato no Estadual seria uma forma de amenizar um segundo semestre no qual dificilmente teremos muitos motivos para nos orgulharmos. E já que o Carioca ganhou um significado maior para o ano do Vasco, quem sabe uma boa estreia não tem o mesmo efeito para o campeonato?

VascoXMadura

Vasco X Madureira

Martín Silva, Madson, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Julio dos Santos, Andrezinho, Mateus Vital e Nenê; Jorge Henrique e Riascos.

Rafael; Fillipe Formiga, Daniel, Jorge Fellipe e Ernani; Leandro Chaves, João Carlos e Ryan; Arthur Faria, Geovane Maranhão e Souza.

Técnico: Jorginho.

Técnico: Alfredo Sampaio.

Estádio: São Januário. Data: 31/01/2016. Horário: 17h. Arbitragem: Grazianni Maciel Rocha. Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Thiago Henrique Neto Corrêa Farinha.

As redes Bandeirantes (RJ e parte da rede) e Globo (RJ, ES, TO, SE, PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, AP e DF) transmitem ao vivo. O canal PFC transmite para seus assinantes em todo país .

***

Janeiro é o mês de aniversário de dois dos maiores ídolos da história recente do Vasco da Gama, um nascendo um dia após o outro: o primeiro, no dia 29, um dos maiores atacantes da história do futebol mundial; e no dia 30, o meia autor de um dos gols mais importantes da história do Gigante.

Parabéns, Romário e Juninho. Por terem ajudado nas conquistas de uma Libertadores, uma Mercosul, dois Brasileiros, um Rio-SP e três Cariocas, podemos afirmar com certeza que, sem o Baixinho e o Reizinho, a história do Vasco seria um pouco menos rica do que é.

***

Lembrando a todos que o segundo turno do Prêmio Top Blog já começou e esse humilde bloguinho precisa mais que nunca da ajuda de vocês para ganhar essa taça. Para dar aquela moral ao Blog, basta votar – o maior número de vezes possível – clicando no banner que está aí na lateral direita da página ou clicar aqui.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

13 Comentários

Arquivado em Adversários, Ídolos, História, Pré-jogo, Títulos

A pauta do dia

Tirando o golaço do Nenê feito do meio de campo, muito pouco tem acontecido na pré-temporada em Pinheiral que valha a pena se comentar. Treinos, elogios à forma física de jogadores e apresentações de atletas que já estão no elenco há dias não chegam a interessar muito. Ou seja, depois de mais uma eliminação precoce na Copinha, os assuntos rarearam.

***

Teve o sorteio da Copa do Brasil, que definiu o Remo como nosso primeiro adversário na competição. As datas das partidas ainda não foram definidas, mas já se sabe que adversários teremos pela frente caso passemos pela equipe paraense: CRB-AL ou Ivinhema-MS.

Como sempre, as primeiras fases da Copa do Brasil não chegam a ser extremamente desafiadoras. Não dá pra crer que, mesmo com as carências que temos no atual elenco, tenhamos problemas para avançar para a terceira fase da competição. Né?

***

As renovações do Nenê (mais três anos) e do Luan (mais quatro) foram as melhores notícias por esses tempos. Para essa temporada, os dois são muito importantes e titulares indiscutíveis nesse elenco. A permanência deles garante a manutenção da base que quase nos livrou do rebaixamento em 2015 e, mantendo o nível das atuações da reta final do Brasileiro passado, ajudarão o time nas disputas do Estadual e da Série B.

***

Ficamos sabendo hoje que o meia Jéferson, aquele da primeira disputa da Série B em 2009 e que voltou ao Vasco ano passado, deixou o clube e acertou com o Madureira para a disputa do Carioca. Assim com o zagueiro João Carlos, outro repatriado ano passado, Jéferson veio, recebeu alguns salários, valorizou-se e foi embora sem sequer estrear.

Gostaria de saber o que os defensores desse tipo de contratação – aliás, de QUALQUER contratação feita por esse diretoria – tem a dizer sobre isso. Poderia apostar que nada além de um silêncio constrangido seria a resposta.

***

E na série “recordar é viver (até porque ultimamente não temos muito o que fazer)“, vale lembrar que hoje é o aniversário de 15 anos do nosso tetracampeonato, o último momento de um Vasco realmente gigante e que comprovava isso com títulos e conquistas.

Saudades enormes desse tempo….

***

Acabou o primeiro turno do Prêmio Top Blog e o Blog da Fuzarca entrou no Top 100. O segundo turno começa hoje e agora que nosso espaço para falar do Vasco precisa mais da sua ajuda: votem quantas vezes puderem – e tiverem paciência – e ajudem o Blog a levar esse prêmio! Para votar, é só clicar aqui ou no banner na coluna à esquerda da página. Preferencialmente todos os dias!

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

30 Comentários

Arquivado em História, Notícias, Títulos, Transferências, Vídeos

Recordar é viver

150915vascocampeao2000No último post, escrito há séculos, comentei que as novidades no Vasco têm sido as mesmas de alguns anos atrás. E eis que hoje venho aqui só pra falar sobre algo que aconteceu há quase 15 anos: o GloboEsporte.com vai reprisar daqui a pouco a Palmeiras 3 x 4  Vasco, pela final da Mercosul de 2000.

Diante do que vivemos atualmente, parece que nos apegar ao passado é o que nos resta. Então rever a virada histórica sempre vale a pena. Mas corram: a partida começa às 13 horas.

***

Mas apesar de tudo, aposto que a diretoria deve estar muito satisfeita com a chegada do Yago Pikachu, menos pela qualidade do jogador – que realmente parece ter as suas – que por ter superado os rivais cariocas que também tinham interesse no jogador.

Aparentemente está tudo certo. Só me preocupa uma coisa: no site oficial fala-se em assinatura de PRÉ-CONTRATO de três anos. Ou seja, até ver o lateral em campo com a camisa do Vasco, a certeza que temos de que o negócio está fechado é a que o prefixo “pré” nos dá.

Com uma diretoria que anuncia técnico que não vem e dá coletiva por 90% de contratação, nunca se sabe.

***

Meus sentimentos à família do Presidente Agathyrno Silva Gomes, falecido ontem. Seu nome será sempre lembrado por ser o mandatário vascaíno na conquista do estadual de 1970 (encerrando o maior jejum de títulos da história do clube) e na primeira conquista de Brasileiro por um clube carioca.

***

Não se esqueçam: o Blog da Fuzarca está participando do Top Blog 2015 e precisa do voto de vocês para levar esse caneco!  Cada leitor pode votar mais de uma vez, então não se acanhem em clicar aqui ou no banner na coluna à esquerda da página todos os dias (mais de uma vez, se possível)….

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

19 Comentários

Arquivado em História, Notícias, Reforços, Títulos, Variedades

Por mais glórias

placaNesse aniversário de 117 anos de fundação, desejo ao nosso amado Vasco da Gama outros 117 anos com…

…mais Barbosas e menos Diogos Silva;

…mais Wincks e menos Julinhos;

…mais Bellinis e menos irmãos Luiz;

…mais Mauros Galvão e menos Cris;

…mais Felipes e menos Christiannos;

…mais Luizinhos e menos Robertos Lopes;

…mais Juninhos e menos Abubakares;

…mais Edmundos e menos Landús;

…mais Romários e menos Valdires Papel;

…mais Flávios Costa e menos Dários Lourenço;

…mais Dinamites artilheiros e menos Dinamites presidentes;

…mais Calçadas e menos “Dotôres”;

…mais torcedores e menos organizadas que só pensam em brigas;

…mais sócios e menos mensaleiros;

…mais patrocinadores e menos dívidas;

…mais títulos e menos vices;

…mais respostas históricas e menos bravatas;

…mais glórias e NÃO MAIS rebaixamentos.

E, principalmente, que nosso amado clube volte a confirmar sua sina de ser Gigante o mais rápido possível.

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG. E os usuários do Gmail também podem incluir a página do blog no Google Plus.

33 Comentários

Arquivado em Ídolos, História, Patrocínios, Política, Títulos, Torcida