Vício em apostas

KLEBER

Arte: Gustavo Rodrigues – Vasco.com.br

Segundo a psicologia, o viciado em jogos tem um “comportamento fora do normal e falha no controle de impulsos”. Esse comportamento “consiste de jogo frequente e repetido, que controla vida do paciente”. Ainda nas definições do jogador patológico, ele “é também caracterizado por uma insistência no jogo apesar de todas as consequências negativas que este trouxe para a vida do paciente”.

o vício no jogo em sié caracterizado pelo reforço emocional intermitente, pois ganhar é um reforço positivo instantâneo e perder é ‘apenas’ uma condição de sorte, com isso, o indivíduo apresenta o comportamento compulsivo de jogar, pois está sempre acreditando que ganhará, como foi conseguido da última vez”.

Diferente de um indivíduo, uma instituição não pode ser viciada em jogos. Mas oficializada a contratação do Kléber Gladiador pelo Vasco, se não há como mandar um clube para sessões dos jogadores anônimos, podemos dizer que na última década sempre tivemos dirigentes viciados em apostas, o que dá quase no mesmo.

Senão vejamos… O vício começou ainda na gestão anterior, de forma sutil para o torcedor, já que as apostas mais comuns eram em ídolos do clube. Ou alguém pode discutir que as constantes contratações e recontratações de Romário e Edmundo, algumas vezes em má fase nos times onde estavam, não eram apostas? E também Petkovic, Beto, Marcelinho Carioca, Marques, Jean, Leandro Amaral e mais uma penca de jogadores que, mesmo que um ou outro tenha conseguido algum destaque na Colina, estavam longe de estar no auge das suas carreiras.

O vício não apenas continuou na atual administração, como se intensificou. Como todo viciado patológico, as apostas aumentaram seu espectro: além dos medalhões sem muito mercado – como os ex-atletas em atividade Odvan, o zagueiro Fernando, Fumagalli, Dodô, Aloísio Chulapa e Cris ou eternos problemáticos como Léo Lima e Carlos Alberto – passamos a contratar “jovens promessas” que pouco prometiam e cumpriam ainda menos (Pimpão, Magno, o volante Paulinho, Geovane Maranhão), gringos que desaprendiam o futebol assim que chegavam ao país (Abelairas, Yotun, Benitez, Irrazabal, Matias Palermo, Chaparro) ou simplesmente jogadores que nem os próprios saberiam explicar como chegaram a um clube gigante como o Vasco (nessa, a lista é grande demais pra citar. De 2008 pra cá, foram literalmente dezenas).

KLEBERComo eu já disse, a vinda do Kléber nesse momento não pode deixar de ser considerada um reforço (basta lembrar que até pouco tempo Barbio era uma das opções no nosso ataque). Mas a parte de torcida que simplesmente ignora o passado mais problemático que goleador do jogador parece ser nada mais que mais que a evidência de um sintoma, não do vício em apostas, mas o de se contentar com pouco. Para esses, apenas o fato do Gladiador ser melhor que nossos atacantes já é o bastante para ficar satisfeito com a contratação. Ou seja: se você for melhor que jogadores que vivem sendo esculhambados pela própria torcida, já pode se candidatar a vestir a armadura vascaína. Ou seja 2: até o atacante-junkie Jobson pode pleitear uma vaguinha em São Januário, já que boa parte da torcida vai ignorar todo seu passado com drogas e recebe-lo de braços abertos.

Agora que o fato é consumado, só nos resta torcer que o Kleber se empenhe em recuperar seu futebol e seja um novo Leandro Amaral, o último a fazer parte na pequena lista das apostas vascaínas que deram certo. Qualidade para fazer um grande Brasileiro e Copa do Brasil, o Gladiador tem. Basta que ele encare o Vasco como uma grande chance de voltar a ser um dos atacantes mais valorizados do país.

***

E sempre vale lembrar: Fellipe Bastos já não está mais em São Januário! Por essa, já podemos agradecer ao Gladiador!

***

Lembrem-se de curtir a fanpage do Blog da Fuzarca no Facebook e seguir o Blog da Fuzarca pelo twitter @jc_CRVG.

Anúncios

32 Comentários

Arquivado em Ídolos, Notícias, Reforços

32 Respostas para “Vício em apostas

  1. Agora, com a saída do fernando horta das eleições,o caminho ficou aberto pro eurico.Essa é a maior “aposta”. A aposta de um futuro sombrio no vasco.Como esperar alguma coisa nova e diferente,com essas mesmas figuras deploráveis.O Kleber,ou fulano ou qualquer um,dando certo,jogando bem,vai conseguir resistir a tanta medíocridade? tanto desmando? tanta politicagem? não existe jogador que consiga render bem,com um ambiente conturbado fora do campo.A maior aposta da torcida,é se o vasco resiste ao próprio vasco.

  2. Pedro Silva

    Já que o Grêmio deve estar satisfeito com o FB, que possui “bem chute” e “bom passe”, segundo o próprio, deveríamos perguntar também se eles estão precisando dos serviços do nosso glorioso goleiro DS, que se posiciona bem, faz excelentes defesas, boa reposição de bola e um reflexo espetacular.

  3. alex

    Engraçado o discurso do FB no Grêmio: ” tenho bom chute, tenho bom passe…”

    Isso é propaganda enganosa, hein, o PROCON vai em cima.

    • David

      Pois é! Eu tive um segundo de dúvida e pensei… será que o Vasco estava escondendo algum jogador de verdade com o mesmo nome? Será que tínhamos no elenco um Hernanes, Ramirez, Yayah Tourè? Depois vi que era o dançarino de rumba, mentindo descaradamente para a torcida do Inter!!
      Com certeza o maior reforço foi a saída do Bastos do clube, pelo menos até o fim do ano. Ali sempre foi dinheiro queimado! Quanto ao Kleber vou esperar para ver se ele melhora e joga em alto nível.
      Ainda acredito que precisamos de um técnico que coloque dois meias em campo. Sendo um de ligação é outro meia atacante.
      Talvez Kleber faça uma boa dupla com Thalles.Porque Edmilson é bem mediano. Engraçado é o Vasco emprestar o Romário Côrreiaque é atacante de área e contratar uns jogadores como, Barbio, Bernardo, Reginaldo, Edmilson, André, Marcel… Tenho certeza que o Romário é bem mais barato e pelo menos do mesmo nível que Edmilson.

  4. Toda essa discussão sobre se é ou não arriscada a contratação do Kleber não tem importância alguma, o que interessa mesmo nessa negociação é que o FELIPE BOSTAS saiu do Vasco, meu Deus somente isso foi suficiente para que eu desse pulos de alegria.

    Assistir aos jogos do Vasco sem ter que ver aquela coisa errando passes e dando os contra-ataques para o adversário será um alívio, cacete, pqp que coisa maravilhosa, como eu odiava esse sujeito…

    GRANDE contratação sem duvida, melhor impossível, me refiro a saída do Felipe Bostas, quanto ao Kleber só o tempo dirá, se eu previsse o futuro estaria rico acertando os números da Mega Sena.

    SDV

  5. Boa contratação, espero que de certo, seja bem vindo, ainda mais que o grande felipe bastos foi embora , ate que enfim conseguimos ficar livre desse jogador muito fraco. saudações vascaínas.

  6. Pedro Silva

    Finalmente a diretoria do Vasco de submeteu às vontades da FFERJ, conforme explicitado pelo JC em seu último post. Ontem houve a retratação “espontânea”, porque o Vasco precisa de um dinheiro adiantado para fechar as contas. É muita humilhação. Agora é que o Sr. Rubens Lopes não vai mais respeitar a instituição Vasco da Gama. Fora Banana!

    • Ulisses Pinheiro

      Acho isso um absurdo, ou engolia a seco a palhaçada que foi o carioca ou mantinha a posição e não disputava o carioca ou colocava apenas um time B de moleques pra cumprir tabela. Agora se humilhar para esta federação ridícula jamais! Sinto muita vergonha por meu time passar por isso!

  7. ANTONIO DIAS - CAMPINAS - SP

    Alô JC. Cara o kleber nunca me encheu os olhos com o futebol que ele praticava. É um cara inconstante e, por isso não se pode confiar nele. Não gostei desta contratação. Eu me lembro de ter falado a mesma coisa quando o Douglas veio. Não deu outra. No início ainda fez alguma coisa. Chegou acordado, mas já está dormindo novamente. Alguma coisa me diz que com o Kleber não será diferente.
    Não sei o que anda acontecendo com o futebol em termos nacionais e internacionais. Há muito perna de pau ganhando os tubos. Dá pra entender que esse cara ganha R$ 620.000,00 por mês? E o Felipe Bastos ganhando R$120.000,00 por mês. Cara, eu já passei do ponto, mas se eu pudesse ter um novo filho (já tenho três), iria fazer de tudo para ele ser jogador de futebol. Deve ser a única profissão em que se ganha muito dinheiro sem precisar apresentar resultados para o empregador.
    Abraços a todos.

  8. Mario Guglielmi

    A maioria dos Vascaínos já deve ter soltado a frase: “Eu pago pra me livrar do Bastos”, e foi isso que a diretoria fez, pelo menos no final do mandato fizeram algo de útil pra gente. Cheiro de campanha? Espero que não.

  9. David

    Vejo como arriscado a contratação do Kleber. Ele há muito tempo não joga bem, também nunca foi artilheiro, mas pensando que o clube só vai precisar pagar 250 mil por ele sendo 150 do seu salário e 100 do salário do Bastos, penso que é uma aposta interessante.
    Nos livramos do Bastos e ainda conseguiram trazer um segundo atacante.
    Falta ao clube um técnico que entenda e tenha consciência do elenco limitado.
    O outro lado bom é saber que o contratado é pelo menos melhor que Reginaldo, Barbio, Bernardo, Bastos. Só espero que ele possa atuar melhor do que vem atuando nos últimos anos. Pois Kleber parece estar em decadência. Como o Vasco já recuperou Leandro Amaral, Diego Sousa, Andersen Martins (que veio sem quase ter atuado em 2011 e com algumas lesões sérias) quem sabe não recupera o futebol desse aí.

  10. Gleidson

    Dinamite nos humilhando mais uma vez (paz com a FERJ). Ele, sem dúvida, é o maior cabo eleitoral do Eurico!!!

  11. Carlos

    Boa tarde!

    Meu comentário se encaixa melhor no post anterior, mas, o dinamerda não cansa de mico e fez as pazes com a FEDERAÇÃO, alegando excessos por parte do Vasco.
    É foda, somos roubados e ainda temos que pedir desculpas para o ladrão!!!!! Antes ter ficado quieto.

    E lembrar que fui a favor desse presidente.

  12. Patrice

    Kleber se profissionalizou em 2003 pelo São Paulo onde foi destaque do time e nesse mesmo ano foi para o Dinamo. Lá ele ficou até 2008 sendo o principal atacante do time, conseguiu alguns títulos, e saiu de lá com status de um dos grandes nomes da equipe na década! Foi por empréstimo para o Palmeiras, e mais uma vez se tornou ídolo de um clube. Em 2009 foi para o cruzeiro, mais uma vez se destacou e foi ídolo da torcida. Em 2010 voltou para o Palmeiras e realmente a partir deste ano não teve mais uma boa temporada, teve problemas com lesão, etc…

    Bom, na minha concepção, um jogador com um histórico desses, um jogador cobiçado por outros clubes, um jogador que hoje tem um salário de 650 mil não pode ser considerado uma aposta! Fora que é um jogador que se destaca pela raça e entrega em campo, coisa que precisamos muito, principalmente jogando uma série B.

    • JC Barbosa

      Um jogador que não joga bem há quatro anos não é uma aposta? Questão de ponto de vista…

      E é aquilo: o cara pode ter sido ídolo pela raça e entrega (o que muitas vezes ele confunde com violência dentro de campo, basta pegar seu histórico de expulsões), o que obviamente agrada qualquer torcedor. Mas isso não é garantia de gols: a média de gols dele no Dínamo foi de 0,34 gols/jogo. No Palmeiras, 0,26 em 2008, 0,45 em 2010 e 0,39 em 2011. Ou seja, historicamente, Kléber faz menos gols que o Alecsandro, que sempre foi detonado pela torcida.

      Ter raça é legal, mas isso não vai resolver nosso problema no ataque. E se o grande problema do nosso time é a falta de pontaria dos atacantes, contar que o Kléber vá resolver essa questão é uma aposta.

      • Patrice

        Acredito que os dois pontos de vista tem um lado coerente! Te dou razão nesses argumentos mas também não consigo enxergar tudo isso como aposta! Sou obrigado a dizer que sua comparação com o Alecone me tirou uma risada, tudo bem que a média de gols dele seja maior, mais a qualidade dos dois é incomparável!

        Vamos esperar para ver, tomara que a média de gols do Kleber passe a ser maior com a armadura cruzmaltina, afinal, agora ele está no maior clube do Brasil! Saudações cruzmaltinas JC!

        Ah sim, não tive a oportunidade de comentar, o blog da globo.com caiu muito após a sua saída!

      • JC Barbosa

        No fim das contas, é tudo uma questão de opinião. Pra mim, poucas contratações não são contratações, já que não dá pra garantir que um jogador que foi muito bem em uma equipe vá bem em outra (talvez um Messi, um CR7 ou alguém do mesmo nível escapem dessa avaliação). Mas alguns jogadores são mais apostas que outras. E com o histórico do Kléber e com tanto tempo sem atuar bem, é difícil não vê-lo como uma aposta, e relativamente arriscada. Pra não ser aposta, só se há a certeza de que ele irá bem. E não há como ter certeza sobre isso.

        Sobre o Alecsandro, o exemplo foi exagerado para deixar clara a situação. Não se trata de qualidade, e sim da função pela qual o jogador é contratado. Martin Silva pode ser um ótimo goleiro, mas se colocarmos ele como zagueiro, certamente nos daremos mal. A contratar o Kléber e esperar que ele vire o goleador que nunca foi, é melhor contratar alguém que não tenha tanta habilidade mas que faça gols. E nesse sentido, o Cone é melhor que ele.

      • Marcio

        JC,
        apenas uma discordância, o Kleber pode melhorar o ataque do Vasco sem que seja ele o autor dos gols,. Ele não será centro-avante e sim atacante de lado o nosso centro-avante é o Edmilson. Com sua chegada a produção do ataque pode melhorar e os gols comecem a sair naturalmente sem que ele seja o artilheiro e sim uma peça importante dessa engrenagem. Por isso, a comparação com o Alecssandro, na minha opinião não cabe neste sentido. Ele chega para melhorar a produção do ataque e não para ser o artilheiro.

      • JC Barbosa

        Mas aí é que tá: se for apenas para ser mais uma opção como atacante de lado de campo, sua contratação seria ainda mais injustificada (levando em consideração a série de riscos que correremos com sua chegada). O problema do Vasco não é falta de atacantes, mas sim a falta de pontaria deles. Mesmo que o Kléber faça 45 assistências por partida, não vai adiantar nada se desperdiçarmos todas as chances.

        De qualquer forma, acho que a ideia, pelo menos a do Kleber, é reeditar a dupla que fez com o Adilson em 2009, no Cruzeiro. E essa foi a fase em que ele teve sua melhor média de gols na carreira. Acho que, por isso, estão realmente contando com o Gladiador como goleador e não como atacante de lado.

  13. Gonçalo

    O problema da contratação é o teto salarial. O Vasco vai pagar 150 mil para o Kleber, mas vai continuar pagando 100 mil para o Bastos, então o salário dele é 250 mil!

    • JC Barbosa

      Não, porque se o Kléber não viesse, o Vasco continuaria pagando o Bastos da mesma forma. Os R$100 mil dele já seriam um prejuízo de qualquer forma.

  14. Gleidson

    Concordo que seja uma aposta. Mas é melhor apostar em quem demonstrou qualidade em um grande clube brasileiro do que apostar em quem se destacou por times pequenos ou veio como refugo dos times grandes. Acho que o Kléber pode trazer um impacto positivo para o time. Acredito que ele possa até refazer a forma como o Adilson coloca o time em campo. Com sua chegada, é provável que o Vasco adote um 4-4-2 clássico e deixe de lado o 4-3-3 do professor pardal. Thalles, na minha opinião é o maior candidato a condição de goleador do time. Claro, isso se o Adilson não inventar moda…

    • JC Barbosa

      Isso é claro. Não se discute que é melhor apostar em quem já fez algo a apostar em quem não tem nada pra mostrar. Mas a questão do “refugo” é relativa. Depois do Grêmio ter gasto uma grana nos direitos do Kléber, colocá-lo como negociável é torná-lo um refugo. Como foi Diego Souza, André e mais alguns que vieram de clubes grandes.

      Sobre o 4-3-3, não acredito que ele mude, já que a opção por essa formação não é a falta de atacantes e sim de meias.

      • David

        Uma ressalva quanto essa falta de meias. Há vários meias no Vasco que não são utilizados ou não quando o são, o técnico escala fora da posição, como é o caso de Montoya, Jhon Cley, Marquinhos (todos pertencem ao clube). Como não jogam, não tem sequência de jogos então não podem evoluir e se destacar. Ainda trouxeram o Biteco que também é escalado fora de posição. Douglas é o único que atua como meia e mesmo assim anda apagado.

      • JC Barbosa

        Vale uma observação: não há meias com a característica principal a armação de jogadas além do Douglas e talvez agora o Biteco. Dakson, Montoya, Clay e Marquinhos são meias-atacantes, que jogam mais próximos à área.

  15. Gio

    Só tenho uma ressalva quanto a essa postagem, devia ter citado ao menos os jogadores que foram apostar e deram certo, ou ao menos derão algum retorno, como Anderson Martins, Dedé, Diego Souza, Rômulo… e por aí vaí, é claro que o tom da postagem é de critica quanto as apostas, mas pelo menos que fique registrado que algumas deram certo, até porque, você é um dos grandes orientadores que os vascaínos buscam quando precisam de respostas sobre o time, e nada melhor do que dar uma visão geral da colina, porque acredite, o numero de vascaino que se comporta como flamenguista (sendo ignorante, não pensando, pedindo ex-mafiosos ops, presidentes) entre atitudes que minam o nosso vasco, só isso mesmo, primeira vez que comento algum blog seu, mesmo já seguindo desde quando estava no Globoesporte, acho que 2008, não lembro exatamente.

    • JC Barbosa

      Não citei as que deram certo pq elas foram em número muito menor. E dos jogadores que você citou, apenas o Diego Souza se encaixa no conceito de aposta: problemático, há tempos sem apresentar tudo o que sabia e com pouco mercado. Mas Anderson Martins (com várias convocações para a base, jovem e só desvalorizou antes do Vasco por conta de uma temporada quase sem atuar por contusão) e Dedé (que ainda era bem jovem) não estariam no mesmo critério. Romulo foi contratado ainda para a base.

  16. Patrice

    Que o Vasco tem feito muitas apostas nos últimos anos eu concordo! Porém não concordo que esta contratação se enquadre nesta situação, Kleber é um atacante de muita qualidade e apesar de ser um jogador com um histórico problemático eu considero um ótimo reforço para o Vasco. Aposta é Edmilson, Dakson, Montoya, Rafael Silva, Biteco e quase todo o elenco! Kleber não é aposta!

    • JC Barbosa

      Considero o Kléber uma aposta pelos seguintes motivos:

      Nosso problema é a falta de um artilheiro. A média de gols do Kléber na carreira é de 0,32 gols/jogo. Ele, aliás, NUNCA foi artilheiro de competição nenhuma como profissional.
      Nos últimos anos, Kléber ficou meses e meses no estaleiro.
      A última boa temporada do Kléber foi em 2009.
      Não há um clube pelo qual ele tenha passado em que não tenha criado problemas, ou com dirigentes, comissão técnica, elenco ou torcida (isso sem falar as diversas expulsões). E como ele chega com garantia de não receber salários atrasados, assim que o elenco ficar sem receber, isso certamente vai gerar um ponto de atrito.

      E agora, quais são os seus motivos para acreditar que ele não seja uma aposta?

  17. Yuri Kauss

    JC, gosto dos seus textos, sempre sinceros. No entanto, esse de hoje está menos “diplomático” e mais “pronto falei”. Parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s